Casa dos Contos Eróticos

Feed

Ensinando meu filho a beijar

Autor: InComum
Categoria: Heterossexual
Data: 25/11/2006 10:30:36
Última revisão: 20/07/2010 10:32:49
Nota 7.50
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Eu tinha 39 anos quando esta história começa. Hoje já são 42. Com relação a meu corpo, sou mignon. Meço 1,60m, tenho cabelos e olhos castanhos, rostos triangular de traços finos. Sou dona de casa, mas faço doces e salgados para fora, mais por terapia ocupacional do que por necessidade. Meu marido, dez anos mais velho, é engenheiro em uma multinacional. Um bom homem. Porém, infelizmente, há muito tempo nosso relacionamento sexual anda apagado. Não duvido da fidelidade dele, e mesmo que duvidasse, acho que não o trairia simplesmente por estar carente. Separaria-me primeiro. Meu único filho é um bonito rapaz de 1,77m, magro forte, pele clara igual a minha, cabelos pretos e olhos castanhos, rosto retangular como o do pai. Tem hoje dezoito anos. Esta era a vida medíocre que ia levando, até que...

TERÇA-FEIRA

Há dois anos atrás, meu filho, fervendo de hormônios (com muitas espinhas para provar), estava como a maioria dos colegas, ficando com uma menina. Certo dia, por volta de meio-dia como de costume, ele chega da escola. Mas ao contrário do normal, ele não fez a celebre pergunta - Manhê, o almoço tá pronto? - simplesmente foi para o seu quarto. Naquele momento não cheguei a estranhar muito. Mas na hora que eu gritei da cozinha pra ele vir almoçar, ele respondeu do quarto que não estava com fome e que eu poderia almoçar sozinha. Daí me toquei que algo estranho estava acontecendo. Fui até seu quarto, entrei, ele estava jogando paciência no computador. Sentei na cama ao lado dele e perguntei: - Filho, o que é que está havendo? Por que você não quer almoçar? - Estou sem fome mãe. - Mas por que, filho? Tá sentido alguma coisa?, nisso encostei minha mão na testa dele pra ver se era alguma febre. - Não manhê... É que aconteceu uma coisa aí e eu perdi a fome, só isso. Depois passa e eu como, pode deixar! Aconteceu uma coisa aí, repeti mentalmente. Fiquei ainda mais curiosa e insisti: - Mas que 'coisa' filho? Você não quer falar sobre isso? - Ahh não mãe... mais tarde talvez eu fale. Não se preocupe, não é nada demais, pode ir almoçar tranqüila. Meu filho tinha fechado-se em copas, então resolvi não importuna-lo mais. Apesar de toda minha preocupação, sufoca-lo poderia ser pior. Por outro lado, meus piores medos sempre foram as drogas, e esse incidente me despertou uma certa angústia. Resolvi esperar e comentar o caso com meu marido quando chegasse à noite. O resto do dia passou-se normal.

A noite, após a janta, narrei todo o acontecido para meu esposo. Ele também ficou um pouco preocupado e foi até o quarto conversar com o filho. Mais tarde, já no nosso quarto, deitados, meu marido me contou então qual era a razão oculta por trás da inapetência do meu filho: - Não era nada demais mesmo benhê. São apenas probleminhas de namoro. - Mas que problemas Jorge? - É que ele ficou com uma menina que depois saiu espalhando pra todo mundo que ele não sabe beijar. - Ahhh..., dei um suspiro consternado, com dó de meu menininho. Quem era essa piranhinha que se achava no direito de fazer uma barbaridade dessa? Ao mesmo tempo fiquei aliviada por não ser o que imaginava. Emendei: - E o que você disse pra ele? - Falei pra não ligar. Depois ele pega outra e vai aprendendo. Puxa, 'pega outra', mas que coisa mais machista pensei. No fundo sabia que Jorge não poderia dizer nada melhor. Ele mesmo, até hoje, não é um grande beijador. Dormimos.

QUARTA-FEIRA

No dia seguinte, Vinicius meu filho, chegou da escola calado ainda e foi direto para o quarto. Imaginei que ele chegou assim porque passou a manhã inteira constrangido diante dos amigos na escola. Fui novamente ao seu quarto, e da porta perguntei: - Almoça hoje meu filho? - Almoço sim mãe. Tá na mesa? - Tá sim meu filho. Pode vir. Almoçamos calados. O Vinicius comeu com os olhos abaixados. Terminou, voltou para o seu quarto e ligou o som. Achei que devia conversar com ele, e assim que terminei arrumar a cozinha fui mais uma vez ao seu quarto. Bati na porta, ele baixou o volume, abri um pouquinho a porta e perguntei: - Posso entrar? - Pode ué!, ele respondeu assim, um tanto surpreso com a pergunta, porque de fato nunca fiz cerimônia pra entrar no quarto dele. Mas eu realmente estava me sentindo estranha porque ia tentar conversar sobre coisas da intimidade dele. Sentei-me na cama, e ele, sempre diante do computador, perguntou: - Que foi mãe? - Seu pai me contou o que está te afligindo. - Hummm... - Por que você não quis falar sobre isso comigo filho? - Ah mãe, sei lá. - Acho que eu não consegui te dar muita abertura né filho? Você sente vergonha de falar de meninas comigo, né? - Acho que sim mãe. Mas também não foi nada demais. - Filho, vamos fazer uma promessa agora? Eu quero ser sua amiga também, quero que você desabafe comigo. Sua mãe é uma mulher experta, Vinicius, e posso ajudar você. Se você conversar comigo só tem a ganhar. Vamos prometer que a gente vai se abrir um com o outro, sem vergonhas? - Sem-vergonhas, mãe?, ele repetiu minha última expressão, deturpando o sentido, e nós rimos bastante. - Sem nenhuma vergonha um do outro. Melhorou filho? Rimos novamente e então prometemos. Aproveitei e continuei: - Essa menina idiotinha é sua primeira namorada? - Não mãe, que isso. Eu não namorei ninguém ainda, a gente só ficou umas duas vezes. Aí ela não quis mais. Depois me contaram o que ela andava dizendo. - Mas que menina cretina filho! Já é tão feio quando um homem espalha detalhes íntimos a respeito de uma moça. Quando é uma moça que faz isso então, fica horrível. Eu acho que ela deve ser muito vulgar. - É... Ela já ficou com vários caras mesmo. Mas é uma gatinha. - Bonitinha, mas ordinária, Vinicius. - Agora já foi mãe. - Filho... você nunca tinha beijado antes?, falei isso e acho que ruborizei. - Ahh, já... mas sei lá... ninguém reclamou. - Beijou muitas vezes?, perguntei surpresa. - Hummm, não. - Quantas? - Ai mãe, precisa mesmo saber isso? - Hahaha, não filho, não precisa. Mas como é que você beija? - Como é que eu vou explicar mãe? - Falando, ué? - Ah, eu pergunto se posso beijar, abro a boca e beijo. - "Meu deus! Tomara que isso seja só um resumo, porque se for tudo que ele sabe de beijo, é uma catástrofe mesmo!" - pensei. - Mas você pergunta filho? Isso não é necessário. - Eu sei mãe, mas é que eu tenho medo de tentar beijar e ela não deixar. - Vinicius, senta aqui do meu lado. - disse isso dando uns tapinhas no colchão do meu lado esquerdo. Ele veio e sentou-se com uma cara assustada e curiosa. - Uma dica que mamãe vai te dar, mas não se sinta envergonhado, nem va se bloquear por isso. Tá preparado? - Acho que tô! - Ó, quando você estiver com a menina, e você sentir vontade de beija-la, você continua batendo papo com ela, que nem nós estamos fazendo. Aí você começa a olhar bem dentro dos olhos dela... Disse isso e fiz o mesmo, olhei bem dentro do olhos do Vinicius, e ele correspondeu com atitude de aluno atencioso. - Se ela não desviar o olhar, você começa a alternar entre os olhos e os lábios dela... Ia dizendo e fazendo o mesmo, alternando entre os olhos e a boca vermelha, que tanto contrasta com a pele alva do rosto dele. - Eu acho que isso é universal Vini, se ela não se afastar ou mudar de assunto, provavelmente ela vai estar fazendo o mesmo, aí você vai se aproximando... Fui inclinando, minha boca aproximando da boca de meu filho, até que pude sentir a respiração acelerada dele, nisso me deu um estalo, afastei-me rapidamente e disse: - E então você poderá beija-la! Vinicius me fitava com olhos arregalados. Reinaram alguns segundos de silêncio constrangedor, que eu mesma quebrei. - Então filho... assim é bem mais gostoso do que pedir, viu. Bom, agora deixa eu ir pra cozinha que tenho várias encomendas pra cuidar. Levantei dura, e nem ouvi o que meu filho disse. Sai direto sem olhar pra trás e fui direto pro banheiro, tranquei a porta e me apoiei na pia. Minhas pernas começaram a amolecer. As paredes começaram a girar e pensei que ia desmaiar. Respirei bem fundo, firmei as pernas e recuperei o controle. Os últimos momentos no quarto do meu filho valsavam na minha cabeça. Um sentimento estranho tomou conta de mim, comecei a sentir minha pele queimando, meus pêlos ouriçados, senti meus seios rijos e minha vulva latejando. Fiquei apavorada. Curiosa, abaixei os shorts e a calcinha que usava, e me achei encharcada. Um arrepio percorreu minha espinha. Eu sabia o que tinha acontecido, e não podia ignorar. Levantei minhas calças, lavei o rosto, tomei fôlego novamente, sai do banheiro e fui até meu quarto. Ao passar pelo de Vinícius, a porta estava fechada e o som alto. Entrei no meu quarto e tranquei a porta. Tirei as roupas e entrei no banheiro do quarto, liguei a ducha, fria e no máximo e fiquei ali uns vinte minutos, até conseguir reorganizar as idéias, ou pelo menos substituir as primeiras. Sequei-me, me vesti, e fui para a cozinha. Passaram-se horas assim. Era como se a rotina tivesse voltado, mas eu não me sentia assim. A certa altura Vinicius saiu do quarto em direção ao banheiro, só ouvi quando ele fechou a porta. Quando abriu pra sair, de onde eu estava pude vê-lo, e ele a mim. Trocamos olhares fugidios e curiosos. Ele foi até a geladeira. E eu pra tentar simular normalidade pedi pra ele pegar uma caixa de ovos. Ele trouxe e deixou-os sobre a mesa, olhando dentro dos meus olhos. Mas os olhos dele desceram e se posicionaram em meu busto, um tanto a mostra pois usava um vestido leve agora. Calado, voltou para o quarto com a maçã que tinha pego. Só saiu do quarto a noite, para jantar. Seu pai já tinha chego. À mesa o clima era estranho. Comíamos, conversávamos como sempre, mas havia um jogo de olhares. Ele me olhava de esguelha, e quando eu fazia o mesmo, os olhos deles fugiam, até que eles retornavam e então eram os meus que fugiam. Jorge nada percebia. O dia acabou sem mais nenhum incidente.

QUINTA-FEIRA

Meio-dia e tantas da tarde seguinte. Já não conseguia fazer nada, mal raciocinava. Era pura ansiedade pela chegada de Vinicius. Ele chegou e disse: - Manhê, o almoço tá pronto? A frase caiu como uma bomba. Eu quase não respondi, tamanha era a sensação de que eu estava bancando a maior idiota da história. A normalidade tinha voltado ao lar, enquanto eu me afogava em devaneios, culpa e desejo. Respondi com um trêmulo sim. Vinicius aproveitou e foi tomar banho. Logo depois estávamos a mesa e era eu que não tinha coragem de levantar os olhos e encarar meu filho. Então ele disse: - Puxa mãe, a senhora é uma mulher linda, sabia. Disse aquilo com um lindo sorriso no rosto, e então meu coração começou a palpitar e as coisas começaram a se embaralhar novamente na minha cabeça. A cadeira ficou desconfortável, ou eu é que fiquei sem jeito, mas respondi: - Obrigada filho. É muito gostoso receber um elogio assim. - Pois eu acho que vou fazer muitos assim, daqui pra frente mãe. Terminamos o almoço sem mais palavras. A novidade agora é que eu me sentia totalmente perdida, insegura, enquanto que Vinicius parecia ter adquirido um certo controle da situação. Ele se ofereceu pra recolher a mesa comigo, coisa que quando fazia era obrigado. E entre idas e vinda nos demos uma leve esbarrada, de ombros apenas, mas meus nervos estavam literalmente à flor da pele, e eu quase desfaleci. Apoiei-me na mesa. Vinicius notou meu desconforto, mas nada falou. Terminamos o serviço e ele voltou para o seu quarto. Tentei continuar meus afazeres, e assim foi por mais ou menos uma hora, quando então Vinicius volta para a cozinha, senta-se à mesa e começa a conversar: - Sabe mãe, eu estava pensando a respeito de ontem. Eu nunca poderia esperar que a senhora pudesse falar daquele jeito comigo. Fiquei assustada com a maneira que ele falou, e então perguntei: - Que jeito, filho? - Ah, assim, tão descontraída. Eu gostei muito da dica que a senhora me deu. - Ah que bom filho. - Aquilo que ele disse serviu pra me trazer de volta um pouco de tranqüilidade. Voltei-me para a pia, onde preparava uma massa, de costas para o meu filho, e ele continuou: - Posso pedir uma coisa mãe? - Pode filho... mas acho que você não aprendeu direito a lição, viu. Você não precisa pedir pra pedir. Peça logo de uma vez! - rimos. - Acho que seu único mal é insegurança filho. - Pois é mãe, é mais ou menos por aí... por isso eu queria pedir mais algumas dicas pra senhora, pra ver se eu fico mais seguro., dito isso senti meu coração acelerar. - Queria que a senhora me explicasse que tipos de beijos as meninas gostam. Senti minha vulva contrair-se. As pernas bambearam. Já tomada por um fogo interno, eu disse: - Tudo bem filho, assim que eu terminar aqui vou lá no seu quarto pra continuar as lições. Mal acreditei que eu tinha dito aquilo. Não pela frase em si, mas pela malícia que eu sei que acentuou a frase. Ele continuou na cozinha. Eu sentia os olhos deles esquadrinharem meu corpo. Eu vestia um short jeans e um suplex. Não era assim uma roupa sexy, mas acho que isso não o impedia de reparar nas minhas formas, que como já disse, mignon, são de seios roliços, bumbum redondo, coxas grossas, braços roliços, tudo bem firme. Dei uma olhadinha pra trás, sem me virar e o vi erguer o olhar meio surpreso. O filho da mãe (em triplo sentido) estava viajando nas minha coxas. Disse: - Você já esqueceu a ordinariazinha? - Já! Ah, ela que se dane. Um dia ainda vão falar que eu sou o que melhor beija, se a senhora me ajudar. Nossa! Ele disse aquilo e eu fiquei toda molhadinha. Naquele instante, ali mesmo na cozinha, com as mãos na massa, literalmente, eu fiz uma viagem até bem dentro de mim mesmo. Pensei: E agora meu Deus? O que eu faço? Será que vale a pena continuar, ou vou acabar destruindo minha família por não controlar minha libido?. Refleti mais um pouco, e fui encontrando um meio termo. Ia tentar não tomar iniciativas. Ia me colocar a mercê dele. Era um pouco jogo sujo. Mas achei que se eu fosse com muita sede ao pote, e ele nada quisesse, aí sim eu estragaria nossas vidas. E se ele realmente quiser algo, ele vai ter, ah se vai. Fui colocar algumas coisas no fogo, aproveitei, me acocorei ao lado da cadeira em que Vinicius sentava e disse: - Você também é um rapaz lindo meu filho. Ainda vai fazer muitas mulheres felizes. - Abracei-o pela cintura e dei-lhe um longo beijo molhado no rosto. Fui correspondida, porém com um beijo mais tímido em meu rosto. Levantei, respirei fundo e voltei a pia. Esse gesto, apesar de impulsivo, foi como um teste. Até antes desse últimos eventos, meu filho, como qualquer filho de qualquer mãe, não costumava ser tão receptivo a tais demonstrações de carinho. No entanto Vinicius aceitou. - A senhora é que vai ser responsável por me ensinar a fazer as mulheres felizes, mãe. Eu fervi, e respondi: - Você muito bem sabe que eu não posso lhe ensinar tudo Vinicius!. Acho que era um restinho da minha identidade de mãe que falava agora. Mas estava quase toda sufocada pela mulher que respirava desejo. - Eu sei mãe... mas a senhora vai comigo até onde der, 'sem-vergonha', não é? Rimos.

Falamos algumas banalidades enquanto eu terminava o serviço do dia. Eu ia alternando momentos em que ficava retraída com momentos em que acho que me insinuava, empinando o bumbum e olhando de uma maneira mais provocante pra ele. Avisei que ia tomar um banho antes de retomarmos as aulas.

Entrei no meu quarto, fui para o banheiro, tirei minha roupa e só então constatei uma coisa que me fez tremer. Minha xaninha tinha babado tanto que escorreu pelas pernas. Será que ele notou? A idéia que ele tenha percebido me excitava ainda mais. Coloquei uma perna sobre o vaso e comecei a alisar minha pombinha. Pensava apenas no que tinha se passado. Permanecia úmida. Com um dedo comecei a fazer movimentos circulares nas bordas da minha xana, então me penetrei. Primeiro um dedo, depois dois. Comecei um entra-e-sai. Com a outra mão alisava meu corpo, pernas, abdômen e seios, olhava para meu próprio corpo e me sentia linda, maravilhosa. Mais alguns segundos disso e senti um intenso gozo. Me ouvi pronunciar, assim sem pensar, "Vinicius...". Tomei um banho gostoso, me perfumei, escolhi um vestido azul claro, bem comprido nas pernas, mas generoso no busto, arrumei meus cabelos, apliquei uma suave maquiagem e fui ao quarto do Vinicius.

Vinicius também tinha tomado banho. Usava uma bermuda folgada e uma camisa. Estava levemente perfumado também. Assim que me viu, começou a desligar o computador. Caminhei até a cama e me sentei no mesmo lugar de antes. Ele também sentou no mesmo lugar. E disse: - A senhora está mais linda ainda! - Obrigado filho, é só pra você. Ele ficou surpreso, com um sorriso de lábios, e não disse nada. Então provoquei: - Muito bem. O que você gostaria de aprender hoje filho? - Olha mãe, a senhora ensinou como fazer pra não precisar pedir o beijo, mas o beijo mesmo que é bom, a senhora não ensinou. Não pense que Vinicius disse isso tudo com a clareza com a qual agora escrevo. A frase mesma foi essa, mas a voz tremia e beirava o inaudível em algumas sílabas. - Bom filho, você está certo. Mas como você acha que eu posso ensina-lo a beijar? Agora foi minha vez de falar tropegamente. O clima de sedução e desejo era evidente. Estávamos apaixonados, mas não tínhamos esquecido que éramos mãe e filho. - Vamos fazer assim mãe: dá aqui sua mão, que eu vou beija-la pra senhora ver como é, depois a senhora pega a minha e mostra como é. Achei tão singela a sugestão do meu filho. Bastava ele me pedir para beija-lo que eu beijaria. No entanto, ele ainda não era esse homem todo. Era um menino, ingênuo e inseguro. Nos aproximamos, ficando juntinhos, dei minha mão a ele e a conduziu até a boca. Ambos trêmulos. Primeiro ele beijou as costas da minha mão, com carinho, um gesto de um cavalheiro frente à dama, depois, entre meus dedos, como se fossem lábios, ele encostou os dele, e beijou-os. - Viu? - ele disse um instante depois. - Vi! - respondi. - Agora deixa eu lhe mostrar algumas coisas. Tomei a mão dele e levei até minha boca. - Deixe os dedos assim. Deixei os dedos médio e indicador unidos na ponta e entreabertos no meio, assim como lábios que pedem beijos. Encostei meu lábios úmidos, tomando seu dedo médio entre meus lábios e depois alternei para seu dedo indicador, como quem alterna seus próprios lábios entre os lábios do parceiro, com movimentos cadenciados. Deixei minha língua toca-los, e foi nítido o choque em Vinícius, que quase puxou sua mão em reflexo, segurei firme e continuei, percorrendo toda a extensão de seus dedos. Beijava como se fossem desejados lábios de verdade. Tudo isso levou quase dois minutos. Então afastei suavemente sua mão, e ele a recolheu, dizendo: - Caramba mãe, que delícia de beijo. Acho que eu não sabia nada de nada mesmo. - Ninguém nasce sabendo filho. O que foi muito errado é a talzinha ter saído por aí comentando. - Deixa eu mostrar se aprendi mãe. - Tomou novamente minha mão e repetiu tudo com louvor. Inclusive foi minha vez de sentir um choque quando a língua dele tocou meus dedos. Cheguei a fechar meus olhos, e soltar um breve gemido, ahh. Voltei um tantinho constrangida, a olhar pra ele, e ele perguntou: - Aprendi? - Aprendeu! - Deixa eu fazer tudo desde o começo agora, mãe? - Como assim? - Lembra ontem, quando a senhora me explicava como beijar uma mulher sem precisar pedir primeiro? Ele disse isso olhando fundo dentro dos meus olhos. Deu-me um frio no estômago e respondi: - Ahã... - Então... só a senhora que fez e não me deixou repetir... Dizia isso e alternava o olhar entre meus olhos e meus lábios. Eu correspondi e fomos aproximando nossos rostos. Nos beijamos. Ao primeiro contato dos nossos lábios eu senti um choque tão forte que meu músculos retesaram e a cama chegou a balançar. Vi estrelas. Então fui relaxando, de olhos entreabertos observava a expressão dele, que tinha os olhos fechado, então fechei os meus, deitei uma mão sobre seu ombro e ele uma mão sobre minha cintura. Nós fazíamos nos nossos lábios exatamente o que tínhamos ensaiado nos dedos. Eu não sei quanto tempo levou aquele beijo, mas pareceu eterno. Nos afastamos lentamente, de olhos abaixados, só então notei o volume que meu filho tinha na bermuda. Ergui o olhar e olhei nos olhos dele. Ficamos estáticos. Congelados. Tínhamos uma expressão mista entre o susto e prazer. De repente comecei a sentir um peso na consciência que crescia exponencialmente. Acho que meu rosto deve ter demonstrado. Vinicius pegou na minha mãe e disse: - Adorei a lição de hoje mãe. - Eu também amei, meu filho.

Disse isso já levantando e fui quase correndo até meu quarto. Mal encostei a porta, me joguei na cama e comecei a chorar convulsivamente. O momento do beijo tinha sido maravilhoso, mas logo depois me senti tremendamente culpada de ter cometido tamanho pecado. Mas não era só isso. E nem era tanto isso, porque eu não acreditava em pecados e castigos. Mas também era o fato de ter traído meu marido. E também era o fato de que talvez eu tivesse destruído minha relação de mãe com meu filho. E eram outras coisas. E se estava abusando dele? Não era um homem ainda pra ter tanta responsabilidade sobre o que fazíamos. E se isso trouxesse problemas no futuro dele? Eu, como toda mãe, o que mais queria era a felicidade dele. Como poderia me perdoar se logo eu a estragasse? Pensei em me matar.

Passaram-se mais ou menos uns dez minutos e então Vinicius entrou no quarto. Eu ainda cheguei a gritar - Não, não Vinicius, me deixa sozinha! - mas ele, com olhar sincero e preocupado, sentou na cama e disse: - Puxa mãe! Desculpa... se eu soubesse que a senhora ia ficar assim nunca teria começado tudo! - Não é culpa sua filho, sua mãe é que foi fraca. - Mas mãe, a senhora não disse que era pra gente perder as vergonhas um com o outro? Então! Nós não fizemos nada demais. A senhora só está me ajudando a aprender coisas tão boas! Como amigos. Ele falava com tranqüilidade, e aquilo foi me acalmando. Ele continuou: - Puxa vida, eu ainda queria saber tanta coisa. Mas se a senhora fica assim, deixa pra lá mãe. Eu vou tentando aprender por aí. - Ahhh, filho, você ainda gostaria de aprender mais coisas com mamãe? - Meu tesão ia retornando. - Claro mãe, a senhora é uma mulher tão maravilhosa. Nunca poderia imaginar. - Mas filho, eu não quero que você perca o respeito por mim. - E quem falou nisso? A senhora será sempre minha querida mãe, mais querida ainda porque me ensina coisas que as outra mães não teriam coragem. De repente comecei a desconfiar da ingenuidade de meu filho. Pensava se só os últimos acontecimentos poderiam ser responsáveis por tal atitude de Vinicius. - Bom filho, então deixa a mamãe pensar com calma em tudo, tá? - Tá mãe. Mas saiba que eu estou adorando tudo, e que te amo mãe. - Eu também te amo filho. Disse aquilo com a certeza de que o amava duas vezes. Como mãe e como mulher. Começava a acreditar que talvez pudesse levar aquilo adiante. Que as duas poderiam conviver sem conflitos graves. Vinicius saiu do meu quarto. Resolvi tomar outro banho, me tocava timidamente desta vez. Estava num processo de transformação, e insegura. Estava saindo da crisálida.

Jorge, meu marido chegou. Jantávamos, e ele perguntou, Aconteceu algo?, assim ao ar, pra ver se um de nós dois respondia. Eu disse não meu bem, está tudo normal. Agimos normalmente até o fim da noite.

SEXTA-FEIRA

No dia seguinte achei que precisava respirar. Preparei o almoço com antecedência, me arrumei e saí. Deixei um bilhete bem visível em cima da mesa dizendo: "Sai para espairecer. Está tudo bem. Não se preocupe comigo. Volto no fim da tarde. BEIJOS, sua mãe querida." Destaquei a palavra beijos, que agora era toda especial. Fui ao shopping, assisti a um filme, fiz compras, e voltei pra casa. Porém, todo esse tempo serviu pra eu me convencer que não restava nada senão me entregar àquela paixão. Enrusti-la iria me enlouquecer. Meu filho parecia suficiente maduro para agüentar a barra.

Quando cheguei, Jorge também já havia chego do trabalho. Dali até segunda-feira Jorge permaneceria em casa e nada aconteceria. Assim foi.

SEGUNDA-FEIRA

Segunda-feira, sem descuidar de meus demais afazeres, eu era só más intenções com relação a meu filho. Ele chegou da escola, abrindo a porta e procurando direto meus olhos. Olhei nos dele e ele me perguntou: - Está tudo bem mãe? - Tudo maravilhosamente bem, meu filho. - disse isso carregando com todo tesão que sentia. Ele correspondeu com um sorriso enorme e um olhar sacana e foi pro banheiro tomar banho. Almoçamos pouco. Éramos só ansiedade. Após terminarmos de recolher a mesa, eu perguntei: - Você quer alguma lição hoje Vinicius? - Claro mãe! - Então vamos agora. Caminhamos até seu quarto. Ele atrás de mim e eu sentia seu olhar em minhas nádegas. Entramos e eu parei no meio do quarto, ele perguntou: - Que houve mãe? Não vai sentar? - Calma, eu tenho uma idéia... Fui até seu som e liguei em uma rádio que tocava músicas suaves. Deixei baixinho e disse: - Vinicius, você já aprendeu a dar um beijo delicioso. Agora eu quero lhe ensinar duas coisas: A dar beijo de língua e a dar um amasso gostoso.

Não acreditava nas minhas palavras, que saíram assim um pouco atrapalhadas. Vinicius me olhava de boca aberta. Caminhou até mim e nos abraçamos. Fomos nos ajeitando até que eu pude sentir o membro dele latejar na altura do meu abdômen. Eu disse no ouvido dele que tudo que eu fizesse nele ele deveria repetir em mim. Vinicius fez que sim com a cabeça e então começamos a nos beijar. Abri minha boca e então senti sua língua invadir-me, estendi a minha e começamos uma dança com elas. Chupei-a, e notei sua surpresa com o gesto, que ele então tentou repetir. Minhas mãos que então o abraçavam pelos ombros soltaram-se e comecei a percorrer-lhe as costas. Ele me imitava. Então pousei-as sobre suas nádegas durinhas, e senti as suas mãos, muito maiores, abraçarem minhas bandas. Apertei-as, acariciei-as, abri e fechei-as, corri uma das mãos entre suas pernas e por entre as nádegas tocando-lhe por debaixo do saco. Senti seu arrepio, e então em tudo fui retribuída. Afastei-me suavemente e então contornei-o abraçando-o por trás. Com uma das pernas puxei um dos seus pés até que ele abrisse as pernas dele ficando mais a minha altura. Enfiei a mãos por dentro de sua camisa e comecei a alisar aquele tórax quase sem pelos. Rebolava e esfregava minha virilha em suas nádegas, enquanto ia mordiscando e beijando seu pescoço. Desci uma das mãos e por cima da bermuda pude pela primeira vez massagear aquele membro grosso, rijo e latejante. Segurei-o com força, puxei-o, de maneira que ele teve que se virar de frente pra mim novamente. Fiz que ia beija-lo e dei uma enorme lambida na sua boca e então me virei de costas pra ele. Foi então que ele foi me imitando. Eu encaixei meu bumbum na pica dele, dividindo e sentindo ele bem dentro, rebolava e ele também alternado momentos de menor e maior pressão. Ele colocou suas mãos por dentro da minha camisa e então tocou meus seios. Eu gemi me arqueando toda para trás, uhhhhh. Por cima da camisa peguei uma das mãos dele e ensinei-o a manipular minhas mamas. Fiz com que as apertasse suavemente, fiz que ele brincasse com o biquinho, e continuava gemendo. Ele veio com a outra mão tentando coloca-la por dentro do meu shorts, mas eu a segurei. Guiei-a para que ele me tocasse, mas por cima do shorts. Meu filho então sentia a xana da mãe. Fazia movimentos de pressão e vai-e-vem, que ia dos meio das minhas pernas até a altura do umbigo. Às vezes podia sentir seu dedo médio bem entre meus grande lábios. Então me virei, agarrei-o com toda a força, puxando-o contra mim, ele fez o mesmo, colei minha boca na dele. Esfregávamos com toda força e eu sentia seu pau contra minha pombinha. Então soltei um urro e desfaleci. Foi um segundo. Mas Vinicius teve que me segurar firme pra eu não cair. Ele me perguntou o que foi, e eu disse quase gritando: - Gozei! E ainda estou gozando! Você fez sua mãe gozar meu filho. Gozei, gozei, gozei! Me joguei na cama, e Vinicius veio junto. Nos abraçamos e nos beijamos. Agora com mais carinho. Olhava nos olhos deles e via o reflexo do brilho nos meus. Nos acariciamos mutuamente no rosto e nos cabelos e Vinicius confessou que também havia gozado, duas vezes, e fez menção pra que eu olhasse pra baixo, e de fato vi as manchas em sua bermuda. Ficamos assim mais alguns minutos. Levantei e fui para meu quarto. Tranquei-o, porque decidi que por ora não aconteceria mais nada. Tomei banho e dormi.

Acordei pouco antes do Jorge chegar. Tivemos mais um fim de noite normal, com exceção do seguinte comentário de Jorge: Como você está bonita hoje benhê, com uma expressão diferente...

OUTRA TERÇA-FEIRA

No dia seguinte, quando meu filho chegou da escola já nos demos um beijo apaixonado. Com relação a esta matéria, inclusive, acho que já não tinha muito que ensinar. Vinicius já estava beijando muito bem. Pedi a Vinicius que agíssemos assim: primeiro almoçaríamos, depois eu cuidaria dos meus afazeres do dia, e finalmente teríamos mais uma lição. Assim fizemos. Já no meio da tarde, entrei no quarto do Vinícius, que me olhava curioso e ansioso, esperando pra saber o que seria hoje. Então disse: - É o seguinte filho, hoje você vai ter que respeitar uma regra muito rígida ou a aula se encerra. Durante minha aula você poderá fazer o que quiser, exceto tirar sua roupa. Tudo bem? - Tudo! - disse isso bem claro e alto, cheio de ânimo. - Hoje vou lhe ensinar a respeito do corpo de uma mulher. Disse isso de pé no meio do quarto, soltei as alças do meu vestido deixando-o cair. Vestia ainda calcinha e sandálias. Foi indescritível o olhar de meu filho. Vidrado, brilhante, fixo em meus seios. Tirei as sandálias e provoquei: - Quer tirar minha calcinha? - Ahhh!!! - suspirou - Claro, claro!!! Dei um passo até bem perto da cama, diante dele, que tinha as pernas aberta. Então ele me olhou nos olhos e pousou suas mãos sobre meus seios, eu fechei meus olhos com um suave gemido, então senti suas mãos descendo pelo meu abdômen até pararem na minha cintura. Abri os olhos e o vi segurar no elástico da calcinha. Começou a puxa-la para baixo. Seu olhos brilhavam a cada centímetro que ele descobria da minha virilha. Puxou-a até o meio das minhas pernas e parecia ter perdido as forças. Estava hipnotizado pela minha vagina, por todo o conjunto da minha virilha. Eu tinha pelos pubianos macios e encaracolados, que raramente raspava, a não ser nas bordas. Era um tufo generoso de pêlos sobre meu sexo, que estava em chamas e escorrendo. Então ele continuou puxando a calcinha, perna após perna, tirou-a e lançou-a longe. Eu dei uma voltinha quase esfregando minha bunda na cara dele. Finalmente disse: - Quem diria filho, que você saiu daí de dentro, hein? - Nem posso acreditar mãe. Deitei na cama ao seu lado, com um perna dobrada e a outra estendida, levemente abertas, um braço atrás da cabeça e o outro jogado para trás. Não pude deixar de me deliciar com o olhar do meu filho, me esquadrinhando, quase babando. Disse: - Pode me tocar filho. Ele não perdeu tempo. Levou um das mãos sobre meu umbigo e começou a desce-la, chegando na púbis, começou a acariciar meus pentelhos como se fossem cabelos. Seus carinhos cobriam minha vagina com a palma da mão, seus dedos se enrolavam em meus pêlos, repuxavam e soltavam. Eu soltei um gemido e exclamei: - Ai que carinho gostoso filho... gostoso... - Sua... como é que eu chamo mãe, sua... - Pombinha, filho? - Pombinha? - Pombinha, xaninha, vagina, bu-ce-ta... - marquei bem as sílabas - pode chamar como quiser. - Sua xaninha está tão quente e molhada. - É assim que uma mulher, quando está sentindo muito tesão, fica. - Assim como meu pênis está latejando pela senhora. - Hummmm..., soltei este pequeno gemido mordendo os lábios, Safadinho, isso são aulas, comporte-se, e rimos. - Senta ali filho, pra poder conhecer melhor a xaninha da mamãe. - imediatamente ele sentou ao pé da cama. Abri bem minhas pernas, agora com os joelhos dobrados, quase em posição ginecológica. Segurei sua mão direita e fui guiando-a naquele tour sexual. - Este é o monte de Vênus filho - e o fiz cobrir com a palma da mão o monte. - Estes são os grande lábios - e o fiz contorna-los com seus dedos. - Este filho, preste bem atenção porque não é todo homem que sabe onde fica, é o clitóris, o grelinho da mamãe, e é o lugar mais sensível da vagina das mulheres. Fiz que ele o pressionasse com o dedo e quase gozei. Segurei seus dois dedos, indicador e médio, e o fiz me penetrar. Fechei as pernas prendendo-os lá dentro e quase desmaiando disse: - Agora seus dedos estão na vulva da mamãe. Ele começou as mover os dedos dentro de mim, e disse: - É tão macia e quente. Está encharcada, sinto um líquido pastoso entre meus dedos. Eu já não respondia, apenas gemia baixinho. Voltei a separar as pernas e comecei a rebolar, meu filho começou um vai-e-vem cadenciado. Quando me introduzia os dedos, fazia um movimento circular apalpando toda a parede interna da minha vagina a seu alcance. Não demorou e gozei. Uhhhhh, um gozo profundo, gozava e continuava a rebolar, e sentia o gozo se estender. Sentia rios de líquido se desprenderem de dentro de mim, gozava e ficava ainda mais excitada. Meu filho percebia o que acontecia, foi então que me surpreendeu. Tirou seus dedos e de repente senti seus lábios me tocando a púbis. Beijou-me os grandes lábios e então colocou sua língua pra fora, lambendo-me suavemente. Lambia-me como um cachorrinho, então, com uma mão, abri minha bucetinha e disse: - Aqui dentro! Senti sua língua em minha vulva. Ele ainda exclamou: É salgada!, e começou a me lamber cada vez melhor com sua língua inexperiente. Foi aumentando a intensidade e a profundidade, e então tocou-me o grelinho. Tive um choque. Lambia em volta e em cima, pressionava-o. Ele ainda disse: Isso é muuuuito bom.. Então segurou-me as pernas e mergulhou sua cara na minha xana. Começou a esfrega-la toda contra meu sexo, mergulhava sua língua e nariz em movimentos convulsivos, assim como os que eu fazia, até que, gozei de novo.

Fiquei alguns segundos desfalecida na cama. Apenas observava o olhar sacana do meu filho. Ele pediu pra eu virar. Virei-me, no mesmo instante ele começou a apalpar e beijar minha bunda, mordiscava, passou as percorrer os contornos do meu corpo com as mãos, dos seios a cintura, até a bunda. Abriu minhas pernas, separou bem minhas bandas e senti um dedo num certo lugar. Logo exclamei: - Descobriu meu botãozinho hein sacaninha!!! Assim a seco dói... tem que lubrificar... pode ser com a língua. Não se preocupe porque estou toda limpinha pra você. Mais que imediatamente sentia a lingüinha do meu filho no meu ânus. Ele começou a lamber do meu rego abaixo do cóccix até o próprio buraquinho, lá ficando, em movimentos circulares, com algumas investidas mais profundas da língua. Eu tentei instruí-lo: - Tem que deixar bastante saliva aí meu anjo, tem que babar bastante viu?!! - Eu não consigo parar de babar pela senhora, mãe! - disse rindo o meu amante. Amante forjado em meu próprio útero. - Agora vai enfiando o dedinho, devagarzinho, empurrando a saliva pra dentro, amor. E assim foi fazendo. Logo tinha seu dedo indicador enfiado no meu rabinho. O sacana fazia como na minha vagina. Enfiava e girava, e se divertia como meus urros de prazer. Fiquei de quatro na cama pra facilitar a brincadeira dele. E aí com a outra mão ele voltou a me penetrar na vagina. Estava ficando enlouquecida, principalmente quando ele percebeu como era fina a parede que separava a parte interna da vagina da parede do reto. Daí ele começou a esfregar aquela mesma porção de carne por dentro do ânus e da vagina. Eu rebolava, ia pra cima e pra baixo em movimentos descontrolados. Então me retesei toda e tive um terceiro, profundo e demorado orgasmo. Vinicius tirou seus dedos de dentro de mim, relaxei e deitei novamente e ele veio por cima, me abraçou e procurou meu rosto, depois me beijou. Virei-me, ficamos de frente um pro outro com as pernas entrelaçadas e continuamos nos beijando por alguns minutos. Me deixei relaxar, e acho que cochilei por alguns minutos, acordei com meu filho, ainda ali, beijando suavemente toda a extensão do meu corpo. Levantei e disse: - Tem só mais uma coisa que eu planejei pra encerrarmos nossa lição de hoje! - O que é mãe? - Depois de tudo isso não ia deixar você só 'na mão', né?. Falei com um sorriso maroto. - Mas antes... - levantei-me, peguei minha calcinha, vesti, pus meu vestido, e ordenei: - Agora abaixa esse bermudão!. Ele tirou e pude ter uma nítida noção do que se escondia dentro de suas cuecas. - Agora a cueca! - Quando ele puxou a cueca pra baixo, seu pinto foi repuxado, e de tão duro voltou batendo no abdômen emitindo um estalo! eu ri e disse: - Quanta disposição hein??? Dava gosto ver aquele pinto! Há quanto tempo não via nada assim. Não que fosse muito maior que o do pai. Mas era mais grosso, e estava sólido como uma rocha. Coisas que há quase uma década eu não tinha do meu marido, meia-bomba. Fiquei de joelhos na frente de meu filho sentado no canto da cama. Sentia a saliva inundando minha boca, quase babava. Segurei o pinto dele, apertei, puxei pra ouvir outro estalo, masturbei-o um pouco, acariciei seu saco enquanto começava a lambe-lo de cima a baixo. Beijei a cabecinha, e com carinho fui engolindo-o, cuidadosamente para não machuca-lo. Quase o engoli inteiro, mas era grande demais para minha boquinha e já batia na minha garganta. Minha boca tinha tanta saliva que escorria pelos lados. Então comecei o vai-e-vem com minha boca, apoiando-me abraçada em suas pernas. Depois de alguns segundos eu disse: - Não se acanhe! Quero beber todo o teu gozo! Voltei a engoli-lo, massageando o seu saco, e depois de mais um minuto, Vinicius retesou-se, vi suas mãos apertarem o colchão e ele soltar um gemido, hummmm, foi então que senti jatos fortes de porra inundarem minha boca. Quase engasguei, mas segurei a onda e fui engolindo tudo em goles largos. Terminado aquela gozada, olhei pra cima, e vi meu próprio filho, extasiado. Senti um prazer indescritível. Seu membro, que não se recolheu, apenas ficou menos rígido, estava meio deitado sobre meu busto. Então perguntei: - Quer mais uma? Ele apenas fez que sim com a cabeça, e eu recomecei, acariciando seu membro, suas pernas, nádegas, costas, e rapidamente estava a pleno vapor. Mais três minutinhos de intensa felação e recebia pela segunda vez na vida, uma intensa esporrada do meu filho dentro da minha boca, bebia tudo, e o que ficava grudado nos dentes eu achava bom. Levantei e disse: - Por hoje chega. Descansa um pouco que seu pai daqui a pouco está chegando.

Fui para o meu quarto, tomei banho, mas nem escovei os dentes, queria sentir o sabor do esperma de meu filho até que todo ele se dissolvesse em minha boca.

A CONSUMAÇÃO

Quarta-feira chegou, e logo meu filho regressava da escola. Eu passei a manhã inteira escorrendo de tesão. Nunca imaginei que alguém pudesse passar tanto tempo excitada. Seguimos as regras anteriormente combinadas. E só segui para seu quarto quando todas as tarefas da casa tinham sido cumpridas. Antes tomei um banho e me preparei toda para meu anjo. Chegando em seu quarto, não o encontrei, sentei na cama, e um minuto depois ele entra. Perguntei: - Não agüentou esperar mamãe? - Caramba mãe, eu to com medo de acordar e descobrir que foi um sonho. - Não é não meu filho. Talvez fosse até melhor. Mas é pura realidade, e nós não temos mais como voltar atrás. - Mas eu não quero voltar atrás, eu nunca fui tão feliz, mãe. - Nem eu meu filho, mas não esqueça de uma coisa que você me prometeu. Você vai continuar sendo sempre meu filho, e eu sua mãe. Nós começamos um jogo, eu entrei de cabeça, e estou te ensinando a ser um bom amante. Mas você deve entender que se é assim, você deve procurar outras mocinhas pra se envolver. Quero te ver um dia casado e muito feliz, fazendo sua mulher feliz. Dizia isso tentando convencer a mim mesma, porque no meu íntimo, o que mais queria é que ele fosse meu pra sempre. Mas tinha certeza que era impossível, e o melhor era tentar convence-lo a me deixar o mais rápido possível. Seria melhor pra mim até, vê-lo com outras, enquanto ainda sou jovem e bela, e não esperar pra ser abandonada quando estivesse velha. - Puxa mãe, agora eu não consigo pensar em outras mulheres. - Eu entendo Vinicius, mas eu sei como vocês homens são. Logo você enjoa da sua mãezinha e sai atrás de algum rabo de saia da rua! Disse isso com um certo escárnio. Era a melhor maneira de dizer, porque sendo ele adolescente, é mais fácil fazer algo para contrariar do que para satisfazer o que os pais querem. Vinicius sentou-se a meu lado e começamos a nos beijar. Primeiro com carinho, e logo com sofreguidão. A certa altura perguntei: - Será que o filhinho quer comer a mamãe? - Quero comer a senhora todinha, todinha. Tudo aquilo que fiz ontem com meus dedos, quero fazer pra valer agora! - Tudo, tudinho? - Tudo! - Ahhhh, esse pintão não vai entrar no meu buraquinho não...! Rimos, ele ficou um pouco encabulado, eu continuei: - Outro dia talvez. Eu compro um lubrificante e a gente tenta. Hoje, só a bucetinha da mamãe. Interessa? - E como! - Hummm, come sim, já vai comer... Estávamos eufóricos, ríamos, tremíamos, e então começamos a nos despir. De repente estávamos pelados, um de frente pro outro, mãe e filho, mulher e homem, amantes. Tive uma idéia, levantei rapidamente, Vinicius se espantou, e eu disse: - Se quiser me comer, vai ter que me agarrar. Esperei ele vir até bem perto e corri para o lado, depois para ou outro. Ele estava gostando da brincadeira, só por isso não tinha me agarrado logo de cara. Meus seios balançavam, seu pinto batia na minha cintura, barriga e costas. Eu caia, ele caia junto, a gente se esfregava e rolava pelo chão. Escapei e corri para a cama novamente, ele veio e deitou-se sobre mim. Ficamos quietos, ofegantes por alguns segundos. Abri as pernas lentamente. Senti a hesitação de Vinicius. Ele acariciava minha pombinha com uma das mãos. Eu ainda brinquei: - Tá checando se o alvo ainda está aí, meu filho? - Ah mãe, a senhora sabe... - Sei meu filho, e to adorando tudo isso. Não precisa ter pressa, faz tudo bem devagarzinho. Descubra-se, me descubra, me devassa! Então ele se posicionou com mais convicção, eu inclinei minha cintura pra cima, para facilitar. Senti a cabecinha dele bater a minha porta, meio titubeante, fiz um movimento pra cima. Minha bucinha parecia uma boca faminta querendo engoli-lo. Ele consegui achar o caminho e se encaixou. Então firmamos o olhar um no outro, e veio a primeira estocada. Achei que ia gozar naquele instante. Entraram alguns centímetros. Segunda estocada, e metade já estava dentro. Terceira, e ele mergulhou fundo dentro de mim. Não me segurei, e já saí gozando, urrando, arranhando as costas dele e puxando ele pra cima de mim. Eu ainda me contraia toda e ele me beijava toda, beijava meus seios, meu pescoço. Seu membro estava dentro, latejante. Comecei a relaxar a musculatura e então ele começou a entrar e sair desajeitado. Mas naquelas circunstâncias, era o mais excitante. Mais uns três minutos e ele me gozava, bem dentro de mim. A sensação daquele gozo do meu próprio filho, quente, forte, viril e invadindo minhas entranhas, foi a terceira coisa indescritível em toda essa história. A mais indescritível de todas. Sem dúvida, são raríssimas as mães que poderão entender do que falo. Ele tirou o pinto de dentro de mim, e quando saiu, foi como se tivesse me esvaziado toda, e sobrado apenas uma casca seca. Queria mais. Queria aquele pinto pra sempre dentro de mim. - Essa foi a coisa mais maravilhosa que me aconteceu filho. - A senhora gostou mesmo? - Putz... To nas nuvens, no paraíso. Promete foder mais a mamãe? - Prometo!!! - Promete foder muito? - Muito, até desmaiar! - Uhhhhhh. - Que tal mamãe de quatro agora hein? - Ótimo! Fiquei de quatro, rebolava minha ancas para provoca-lo, nós estávamos nos divertindo como nunca. Ele se posicionou atrás de mim, aí me acalmei. Senti seu membro se preparando para a penetração. Quando ele colocou a cabecinha, não sei o que me deu, mas eu joguei meu corpo com toda força pra trás. Ai! exclamamos os dois. Mas foi muito bom. E então o Vinicius começou a me dar fortes bombadas, batendo suas coxas contra as minhas, fazendo tap, tap, tap, eu ia pra frente e pra trás também pra intensificar ainda mais os movimentos e compensar os deles, quando esmorecia. Coitadinho, eu estava exigindo muito dele na primeira vez. Mas não conseguia evitar. Pedi pra ele apertar meu bumbum, e ele o fez com gosto. Pedi um tapa. E ele deu. Aí eu disse um pouco mais fraco!, rimos. E logo me deu outro, agora gostoso, eu gemia, urrava, e ficamos naquilo uns cinco minutos, até eu gozar. Gozei com força, enfiei a cara no travesseiro, fiquei bem inclinada, e Vinicius nem tomou conhecimento, continuou suas metidas e alguns segundos depois, outro jorro de goza dentro de mim. Meu orgasmo intensificou-se. E só foi acabar quase um minuto depois. Despenquei e ele veio junto. Descansávamos agora. Era uma cena linda, dramática e excitante. Estava eu coberta por meu próprio filho, ambos nus. Seu pinto ainda inchado e melado, descansava no meu rego. Permanecemos assim alguns minutos, enquanto dizíamos coisas como: - Você está me fodendo maravilhosamente bem meu filho. - A buceta da senhora é a coisa mais deliciosa que existe! - Seu pinto é um capricho da natureza, que minha xaninha não quer lagar de jeito nenhum! Um pouco mais recompostos, meu filho saiu de cima de mim, e o fiz deitar de costas na cama. Sentei sobre ele, me posicionado na altura de sua virilha. Disse: - Mamãe tá encharcada da sua porrinha, posso deixar escorrer um pouco? - Como assim? - Eu to segurando. Se eu soltar vai escorrer e manchar sua cama. Se você não quiser, eu vou até o banheiro me lavar. - Não, não, fica aqui, deixa escorrer. Depois a gente troca tudo. Soltei minha xaninha e o mel do nosso amor começou a escorrer sobre seu abdômen e virilha. Eu ia soltava e ia espalhando, esfregando minha pomba na sua barriga até a virilha. Aquilo deve tê-lo provocado muito, porque quando eu ia pra trás, sentia uma coisa cada vez maior batendo na minha bundinha. Olhei, e vi aquela maravilha rija novamente. Segurei e perguntei: - Posso? - Deve! Com minhas próprias mãos encaixei-o na minha vulva, toda melada e inchada, e fui sentando, até o fim. Olhei novamente nos olhos deles, que resplandeciam de satisfação. Ele aproveitou e começou a apalpar meus peitos. Começou a se ajeitar para trás, me levando junto, até que conseguiu apoio na cabeceira da cama para poder sugar meus peitos. Eu tive o maior prazer em dizer: - Isso, mama, mama filho, mama! Ele mamava, primeiro em um, depois no outro, e vice-versa, enquanto eu ia subindo e descendo no seu mastro, as vezes rebolando pra senti-lo pressionar cada milímetro da minha bucetinha. Ele me agarrava as polpas da bunda, apertava, abria, fechava, até que resolveu meter um dedinho no meu cuzinho. Adorei. Antes puxei sua mão e engoli seu dedo médio, chupei-o como se fosse o próprio pinto, e fiz ficar bem lubrificado. Aí então ele enfiou. Voltei a rebolar com mais vontade. Aquele pinto e aquele dedo, que às vezes se encontrava, separados apenas por uma fina parede, me levaram a mais um estrondoso orgasmo. Gozei com as unhas crivadas no peito dele, corpo arqueado para trás, e depois me deixei ruir sobre ele. Meu filho me abraçou, me ajeitou ao seu lado, e nos deixamos dormir.

Acordamos a minutos da chegada do pai. Desesperados, tentamos disfarçar a bagunça, corremos cada um para um banheiro, e então Jorge chegou. Quando ambos os três estávamos juntos na sala, sentíamos o clima pesado. Foi então que Jorge disse: - Já avisei vocês pra não usarem os dois chuveiros ao mesmo tempo que cai a luz! Vinicius e eu sentimos o peso do mundo sair de nossas costas. Sentimo-nos eufóricos e rimos um monte. Só o Jorge que não achou tanta graça.

Bom. Em uma semana, com a pretensão de ensinar meu filho a beijar, tínhamos descoberto toda a fúria do amor incestuoso entre mãe e filho. Dali até hoje nossa vida é quase só sexo. Eu continuo com a minha rotina de antes, faço doces e salgados, e Vinicius estuda direitinho. Mas essas são coisas menores agora. Temos feito de tudo que é possível junto. E talvez o fato de ser uma relação tão perigosa, tão proibida mantém o desejo de um pelo outro assim tão ardente. Mesmo assim, tenho cobrado do Vinicius que ele namore normalmente na escola. E ele parece que tem seguido essas instruções. Um dia até trouxe uma menina aqui. Não sei como não morri de ciúmes, mas sabia que era o preço para a felicidade futura de meu filho.

Porém, enquanto o futuro não começa, vamos vivendo o presente, dia após dia, com muito prazer e intensos orgasmos. Nada pode ser mais saboroso e avassalador que o sexo que nós fazemos. Igual é improvável. Melhor, impossível.

(by InComum)

incomum (katatal99@yahoo.com.br)

Comentários

24/11/2013 06:53:04
delicia de conto, parabéns 10
12/11/2013 18:18:03
Uma delicia de conto, sua narrativa é 10. Parabéns mamãe linda e gostosa.
23/03/2013 12:38:34
minha nossa o conto esta deliciosamente bem feito. longo porém cheio de tsao, uma maravilha nota 1000 me envie mais detalhes estou curiosa meu e-mail: gillilico@gmail.com
23/03/2013 12:35:53
MUITO BOM
29/09/2012 08:01:25
meu anjo adorei estou sem palavras tentei add em msn nao consegui add pois quero sentir relatado por ti todo esse tezao que me invadiu bjs
15/11/2011 20:54:39
Ótimo conto!!!
15/11/2011 15:48:07
MUITO BOM! Rico em detalhes, tem o ingrediente do cotidiano, de narrar com detalhes os pensamentos, dando realidade a narrativa com alguém que realmente participou do fato e não como quem viu o filme e narra para um terceiro!
12/03/2010 22:23:08
SEM FINAL .... SEM COMENTARIO. CONTA AI O QUE DEU NO FINAL DA HISTORIA... VOCE ACBOU SE ENTREGANDO PARA AQUELE MEMBRO GOSSO QUE VOCE CITOU... FALA AI.
12/03/2010 22:21:15
SEM FINAL . SEM COMENTARIOS!!!!
30/10/2009 01:28:09
Deu p1ra ele ou não !!!
01/05/2009 13:43:48
posta a continuação to adorando a sua historia rssrsr
25/12/2008 14:57:32
Ótimo conto, se bem que extenso. Queira ou não ele termina te comendo, ou seria e contrário?
18/07/2008 12:54:11
E o final? Vais me deixar de pau na mão?
11/03/2007 12:18:43
Sequer terminei de ler essa merda!Extenso assim,eu prefiro ler um romance de Jorge Amado.
23/02/2007 15:54:50
gostei muito parabéns....queria também ter uma mãe assim.
28/11/2006 15:26:16
devo dizer que eu não consigo imaginar isso com minha mãe, poderia rolar algo assim com umas primas, e só. então incesto não é minha praia. mas que seu conto merece uma bela punheta, merece...
28/11/2006 01:16:31
Porra como vc não terminou ainda ,não vou dizer o que penso.Mais deu um puta tezão!
27/11/2006 17:06:34
parabéns, muito legal, queria ter uma mãe assim, estou adorando, gostaria muito que continuasse até aonde foram ...
27/11/2006 14:31:12
Que bosta...
26/11/2006 12:43:15
caramba..o que é isso,afinal?cretina...horrível...

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.