Casa dos Contos Eróticos

Feed

Confissões da minha esposa

Autor: Klaus
Categoria: Heterossexual
Data: 29/08/2006 13:24:08
Nota 5.75
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Depois de ler muitos relatos de homens que curtem que as esposas contem pra eles de suas aventuras com outros namorados, resolvi experimentar.

Tenho 48 anos e sou casado há mais de 15 anos com a Marina. Ela é uma mulher extremamente atraente, tem 35 anos, loira, um corpo muito bonito e é muito fogosa.

Ontem à noite, depois de chupar deliciosamente a bucetinha dela, e ela me chupar bem gostoso, deixei ela vir por cima, que é o jeito que ela mais gosta de gozar e quando ela se sentou em mim , com meu pau todo encaixado na bucetinha dela perguntei :

- Vc transava assim com seus namorados tbem querida?

- Não amor, só com vc.- ela respondeu ofegante.

- E quem foi o ultimo que brincou nessa sua bucetinha?

- Ah amor!! Vamos falar de outra coisa.

- Não benzinho, eu adoraria saber.

- Não, vc vai brigar comigo.

- Juro que não vou querida. Me conte.

- Olha, vc vai ficar bravo.

- Conta. Estou até mais excitado.Quem foi, eu conheço?

- Foi o Carlos, meu chefe quando eu trabalhava na Sadia, lembra-se dele?

Um frio me passou pela espinha. Quase que meu pau amoleceu. Mas não era hora de voltar, já que eu tinha começado com aquilo tinha que ir até o fim. Disfarcei meu susto e perguntei:

- Mas nós já éramos casados naquela época.

- Eu sei, porisso que não queria continuar falando sobre isso, mas vc insistiu.

- Tudo bem meu amor. Mas quero saber como foi que aconteceu isso.

- Lembra-se que estávamos sem grana quando compramos aquele apartamento em Perdizes e cheio de dívidas?

- Sim, claro que me lembro.

- Então, um dia que fui almoçar com ele no shopping ali perto eu resolvi e pedi um aumento de salário.

- E ?

- Daí que eu estava usando um vestido e quando fomos pegar o carro no estacionamento do shopping ele colocou a mão na minha perna.

- E vc deixou ??

- Não, eu tirei, mas ele disse que assim como eu queria um aumento de salario, ele queria sentir minha pele.

- E daí vc deixou.

- Deixei.

- E ele , passou a mão nas suas coxas?

- Foi. Ele pediu pra eu abrir um pouco as pernas e começou a passar a mão no meio das minhas coxas.

- E vc ficou excitada?

- Claro amor, não sou uma mulher de ferro.- ela disse isso e riu.

- E que mais que ele fez?

- Vamos parar aqui amor. Vc vai ficar com ciúmes.- ela quase implorou.

- Conta marina, quero saber. Estou excitado, não esta sentindo meu pau?

- Estou, e ele esta bem grande.

- Então conta.

- Daí ele encostou a mão na minha calcinha, colocou ela de lado e começou a passar seu dedo na minha buceta.

- E vc deixou?

- Ai amor, imagina o tesão que eu tava sentindo.

- Tudo bem e depois?

- Ele enfiava e tirava o dedo de dentro dela e me deixava louca.

- Conta mais.

- Daí ele segurou minha mão e colocou no seu pau.

- Por cima da calça?

- No começo sim, mas logo ele abriu o ziper e tirou ele pra fora e me mandou segurar.

- E vc segurou?

- Sim.

- E bateu uma punhetinha pra ele?

- Sim eu começei, mas ele disse que se eu quisesse um aumento bem bom eu devia colocar ele na minha boca.

- E vc?

- Ai amor, vc quer mesmo saber?

- Quero amor.

Nessa altura eu já estava super excitado.

- Eu deitei no colo dele e chupei seu pau.

- Era grande, maior que o meu?

- Era amor, era grande e grosso.

- E ele parou de mexer na sua bucetinha?

- Não, ele colocou a mão na minha bunda que estava no banco, por debaixo da calcinha, lambuzou bem meu cuzinho com o liquido que saia da minha buceta e começou a enfiar seu dedo no meu cuzinho.

- E foi gostoso?

- Muito amor. Gozei muito.

Nessa altura ela tbem já estava bastante excitada e eu sentia ela rebolando em cima do meu pau.

- E ele gozou?

- Na minha boca. Tive que engolir tudo pra não sujar a calça dele e o carro.

- E depois ?

- Depois fomos para o escritório.

- E nunca mais fizeram isso??

- Chega amor, vamos parar por aqui.

- Não, me conta, quero saber tudinho.

- Fizemos sim amor. Quase sempre eu chupava ele na sala dele.

- E ele nunca te comeu?

- Só uma vez amor. Juro mesmo. Só uma vez. Eu nunca tinha deixado.

- Aonde foi?

- Na sala dele. Eu tinha ido de vestido, ele tirou minha calcinha, me debruçou na mesa dele e veio por trás.

- E meteu tudo?

- Sim amor. Meteu tudo. Me segurou pela cintura e meteu e meteu.........

- E vc, gostava?

- Sim, muito.

- Vc gemeu alto.

- Sim, gemia muito.

- E ele falava alguma coisa?

- Falava. Falava que eu era uma putinha, que era safada, que vc era um corno.

- E vc?

- Aquilo me deixava mais excitada e eu só pedia pra ele me foder.

Nessa altura Marina já me cavalgava meu pau com muito tesão.

- Então sente de novo o pau do Carlos meu amor. Fode gostoso.

- Me fode Carlos........que saudades do seu pau.............mete tudo.......

Marina estava fora de si. Ela rebolava e me cavalgava alucinadamente.

- Fode putinha safada...............rebola no meu pau sua vadia..........

- Ai Carlos..........me enche de porra seu safado................mete....

- Toma vagabunda..............toma meu cacete.........

- Deliciaaaa...............vou gozar...................me da sua porra Carlos.........

- Toma cadelinha.................toma meu leite nessa buceta........

- Aaaaaiiiiiiiiiiiiii..........goza ............goza.............

Nós gozamos alucinadamente. Foi um gozo prolongado e maravilhoso.

Sugiro que todos vcs experimentem isso.

Não se preocupem em saber que foram cornos um dia, afinal só não foi corno quem nunca teve uma mulher.

klaus-3000@hotmail.com

Comentários

30/08/2006 17:25:39
Só consertando o comentário: quis deizer que o conto em questão não tem conteúdo, muito fraco. Só serviu pra levantar debate. Nota 2.
30/08/2006 17:23:20
Concordo com o Verdade Suprema. Ecorno. sse aqui só serviu mesmo para levantar a discussão sobre o cornismo de cada um. Acho que existem dois tipos de corno: o 120, que é aquele que chega em casa vê a mulher no maior 69 com o Ricardo e vai para o bar tomar uma 51 e o compartilhador, que é caso do autor deste conto e de outros deste site. Como já vi em pára-choque de caminhão: "chifre é igual ET. Que existe, existe. Mas ninguém vê".
29/08/2006 21:37:53
Klaus, seu conto não foi tão excitante assim, porem a sua afirmativa de que só não é corno quem não tem mulher, está pela metade: existem os que pensam e afirmam que não são, como alguns e outros...
29/08/2006 21:37:01
Poxa, carina ter q inventar história pro seu marido ficar de pau duro!!! Agora ser corno manso deve ser uma merda e ainda ter q ouvir uma história fraquinha dessa.....bah
29/08/2006 20:12:04
Puta que pariu! isso que é gostar de ser corno e tornar público. Daqui um dia com certeza irão lançar uma campanha "À FAVOR DOS CORNOS", fala sério. Aproveita e manda sua mulher pra mim.
29/08/2006 17:29:08
Legal nota 8. Se for pra meu mridão ficar louco de tesão e pau inchado eu conta até o que não fiz.
29/08/2006 16:30:35
Klaus, gostei do seu conto. nota 8. Eu também adoro fazer minha mulher contar suas aventuras e ela também gosta de ouvir as minhas.
29/08/2006 15:25:47
Haha! Gostei do comentário do Cigano. Mas o negócio é o seguinte, se o cara gosta de ser corno é problema dele. Ninguém tem nada c isso. Mas da mesma forma, meu caro Klaus, se vc gosta de galho na gabeça isso é contigo, mas ñ é todo mundo vai gostar, colega!
29/08/2006 14:08:03
Meu caro amigo se tú gosta de ser corno, passa meu imail pra ela, nestes contos vc ira ver ele.
29/08/2006 13:50:56
Concordo plenamente com o sergio assuma que é corno mas não diga que só não é corno quem não tem mulher, porque eu não ia nada gostar de saber que era corno, eu gosto de exclusividade da parte dela e da minha.E ser corno acho que nunca perdoaria ela, uma coisa é ela fantasiar com um actor ou qualquer coisa no genero, outra é ser mesmo corno. Por isso"...fale por vc só meu amigo.."
29/08/2006 13:31:37
O mesmo BLÁ, BLÁ, BLÁ de um corno assumido, não tem diferença dos outros, quanto a sua teoria que só não foi corno quem nunca teve uma mulher, fale por vc só meu amigo..

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.