Casa dos Contos Eróticos

Flores

Autor: Mulherão
Categoria: Heterossexual
Data: 16/06/2006 13:40:39
Nota 9.10
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários (10) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Flores

de Miguel da Costa Franco

A primeira vez que me permiti visitá-la, em seu apartamento da João Telles, levei-lhe uns cravos rosados. Procurava ser amistoso, sem esquecer de sua resistência a minha aproximação. Não que fosse totalmente arredia. Apenas negava minha presença, suspeitando, na verdade, que eu pudesse tornar-me uma ameaça a sua integridade conjugal. Assim, prudentemente, alcancei-lhe aqueles cravos esmaecidos e tristes, de pétalas suaves mas bordadas com um serrilhado agressivo, para oferecer-lhe o conforto de uma investida suficientemente distante para ser aceita.

Naquele dia, apenas conversamos. Percebi que estava menos tensa ao fim de minha visita. Então, ao retornar, dias depois, alcancei-lhe uma anônima e casual florzinha rosada do jardim em frente. Pareceu-me confortável ao recebê-la. Prendeu-a entre os cabelos num gesto rápido, como se quisesse livrar as mãos para oferecer-me o mate. Retornou às fotos do casamento, que organizava em álbum, enquanto trocávamos de mão a cuia morna, cumplicidade que para mim antecipava calores mais febris.

Pareceu-me mais linda ao vivo, com seu vestidinho estival, embora enaltecesse o traje vistoso das fotos, seus ombros nus, a vivacidade dos olhos negros derramando fogo sobre o noivo estúpido. Chamei-o de felizardo e foi o máximo de minha ousadia. Apenas sorriu.

Abriu-me as portas para que eu lhe alcançasse um inocente buquê de florezinhas do campo em minha estada seguinte. Recebeu-as bem, embora tenha pousado seu olhar um pouco mais tempo no meu, como que a procurar alguma coisa oculta. Desviei seus pensamentos, sugerindo-lhe apoiá-lo num vasinho meio quebrado que guardava na cozinha, peça já sem importância na decoração cuidadosa de seu apartamentinho, todo enfeitado com os presentes da lista de noivas do Bazar Floresta.

Propositalmente, demorei-me um pouco a voltar, ainda que me custasse. Mas ao visitá-la outra vez permiti-me umas alegres margaridas, de modo que também ela pudesse expressar sua saudade, soltando o riso em direção àquela alegria meio "kitsch": verde, amarelo e branco em profusão. Ofereceu-me o rosto e tive o cuidado de beijá-la com os lábios semi-abertos, de modo a causar-lhe uma leve sucção, intensa mas sutil, porque localizada. Sem forçá-los demais contra sua pele frágil e nem umedecer-lhe a bochecha rosada.

Apoiou as margaridas sobre o vaso de estanho da mesinha de centro, quase o primeiro na escala de importância, desculpou-se pelo robe mal composto mas ficou assim sem mais. Tirava as cutículas e manteve-se assim. Minha presença já não interrompia afazeres mais íntimos, pude sentir.

Chegara a hora das rosas. Brancas e rosadas como a pele dela. Como a porção dos seios que me oferecia aos olhos a cada vez que me alcançava a cuia de mate. Tinha-os suficientemente pequenos para lembrar-me a cada vez que apanhava o poronguinho aquecido, que um dia acabaria por tocá-los e poderia demorar-me neles a lonjura de um mate inteiro.

Pousou minhas rosas no vaso de cristal sobre a mesa de jantar. Era o lugar mais nobre da sala. De inopino, passou a contar-me de viagens que não fizera, de namoros que apenas desejara, de vestidos que não ganhara e da monareta que a infância na cidade grande não lhe permitira ter para si. Também falei-lhe de desejos recolhidos, mas num tom mais alvissareiro e esperançoso que o dela. Confortei nos meus os seus olhos inesperadamente trístes e nos abraçamos longamente ao sair.

Trouxe-lhe um buquezinho miúdo de bocas-de-leão na visita seguinte, para fazer brotar outros desejos recolhidos. Beijei-a ao chegar com os lábios menos firmes e mais úmidos do que de costume e peguei com mãos de veludo seus antebraços desnudos. Pensei tê-la ouvido suspirar. E pela primeira vez verbalizou sua saudade.

Sim, falamos de sexo. Do primeiro namorado, com quem não trepou, do roça-roça das reuniões-dançantes da adolescência, do primeiro beijo na boca.

Seus lábios estavam salivosos e tépidos quando me beijou à saída e adivinhei assim o que lhe passava nas entranhas, após quase hora e meia de lembranças até então adormecidas.

Rosas púrpuras em profusão, plenamente abertas e bem apertadas em círculo. Assim brindei-a ao retornar, uma semana depois. E pareceu-me que entendia tudo. Retraiu-se, resguardou-se um pouco.Acho que o ardor de mucosas turgescentes que minhas flores inspiravam a fez recuar.

Fez bem. Houvesse me abraçado - apertado como eu esperava que o fizesse -, teria sentido o volume um pouco incontrolado de meu sexo sob os "jeans" e tudo teria ido por águas abaixo. Questão de tempo. Por estratégia, demorei-me pouco aquele dia. Mas deixei correr suavemente meus dedos em seu pescoço na hora de despedir-me dela, ao vão da porta, e beijei-a levemente, soprando uma brisa imperceptível mas quente no lóbulo de sua orelha, para fazê-la desejar rosas vermelhas da próxima vez.

Mas não. Trouxe-lhe uma única orquídea, numa caixa estreita, e antecipei-me a despi-la lenta e carinhosamente de sua embalagem delicadamente rendada, para entregá-la, com a exuberância de seus grandes lábios escancarados, após uma aspirada profunda em seu aroma difuso, a uma ruborizada esposinha do Bonfim.

Abraçou-me de corpo inteiro e pude sentir-lhe os mamilos intumescidos e o corpo açodadamente entregue ao meu abraço prolongado. Beijei-lhe os cabelos, num afago quase paternal. Para tranquilizá-la.

As coisas estavam tomavam um rumo conhecido.Depois, sentamo-nos, lado a lado, e mostrei-lhe um livro que trouxera com gravuras de obras do Rodin, para instigar-lhe o desejo do toque, e pude pousar minha mão em suas coxas firmes, em afagos brandos e discretos.

Achei que ela estava pronta para os antúrios vermelhos.E estava mesmo. Senti sua voz um pouco alterada no porteiro eletrônico, quando voltei, uns dias mais. Esperou-me já ao fim da escada no andar onde morava. E mal fechou a porta, beijou-me a boca loucamente, enfiando uma linguinha ágil e entusiasmada entre meus lábios complacentes. Afastou os antúrios que eu empunhava contra o peito e pôs-se a abrir sofregamente minha camisa, beijando meu tórax aqui e ali, sugando meus mamilos com gana e por fim, descendo ao meu pau, que tratara de livrar com a outra mão, e engolindo-o inteiro, como se quisesse morrer.

Depois recuou em frenesi para as almofadas sobre o tapete, livrando-se da saia ansiosamente e oferecendo-me a janela sumarenta de seu púbis, que calcinha já nem pusera, para a arremetida estudada e vigorosa que empreendi. Derramou-se em lágrimas enquanto se acabava, como se fosse insuficiente derreter-se por entre as pernas, dizendo sempre, quase gritando, que estava sentindo a coisa descer pelo meu pau, que coisa louca.

Trepamos naquela tarde por todas as semanas que durara o meu assédio, fizemos de nossos corpos espirais de gozo e malemolência. Amei-a como pude, rememorando sonhos carbonários e livre-criando formas de alcançar uma outra vez aquele buraquinho pulsante e insurgente que nos fazia arder.

Já sem forças mas ainda brincando com seu corpo nu, na intimidade das barreiras transgredidas,corri meu dedo médio até sua vulva intumescida e encharcada e levei-o assim, molhado e lentamente, ao seu ânus fechadinho. Carinhosamente, afastou-me a mão, alegando um cansaço dos deuses. Ele está por chegar, me disse, enfim. E me fez sair, entre carícias e beijos apaixonados.

Quando voltei à florista da esquina, ela adivinhou por meu semblante que os antúrios haviam cumprido sua função. Ofereceu-me - cúmplice da próxima investida -, uma braçada de papoulas, salpicada de flores do campo, com rendas de cipreste em ornamento. Aceitei a sugestão.

Mas afastei-me a passos lentos, olhando de soslaio para uns botõezinhos de rosa-miúda, ainda bem fechados e hostis.

Vou levá-los numa próxima visita.

Comentários

07/06/2016 01:16:37
Dada a excelência das letras, meu elogio é te pedir desculpas pelos tolos que comentam em desdém, imperitos, broncos, pueris... Parabéns. Quisera eu escrever assim!
17/04/2015 16:09:53
Desejar a mulher do próximo pode ser complicado, mas vale a pena. O contato sexual indireto com o marido é a maior fonte de satisfação para os curiosos. Vai levar um 10.
15/04/2012 19:01:20
Gostei de seu conto!!! Nota DEZ!!! Vou estar de @@ em suas publicações!!! Leia, vote e comente meus Contos Eróticos: * A cliente que virou amante virtureal por um instante > http://www.casadoscontos.com.br/texto/* A Pastilha do Prazer Sexual > http://www.casadoscontos.com.br/texto/* Clube De Casais com WEB-CAM ao Vivo e muito tezão!!!! > http://www.casadoscontos.com.br/texto/* Em cima da cama do falecido na casa alugada... > http://www.casadoscontos.com.br/texto/* Uma tarde quente com uma exeCUtiva > > http://www.casadoscontos.com.br/texto/Visite o blog do clube de casais -> http://www.clube-de-casais.blogspot.com.br e participe! Grupo: https://www.facebook.com/groups/contoseroticos Abraços
25/01/2012 11:00:09
Maravilha de texto, uma verdadeira aula de literatura. Erotismo fino e com narrativa sutil, uma poesia falando de sexo romantico. Infelizmente, muitos buscam a excitação explícita, vulgar. Assim, nos meus contos, para não alongá-los, tento equilibrar as duas coisas. Mas quando escrever um romance, com mais liberdade, tentarei me aproximar desse mestre que é Miguel da Costa Franco. Nota dez é simbólico. Vale mil!
02/12/2008 22:17:24
que tanta flor ...cade ação
Ale
02/12/2008 13:04:48
Q merda, coloque este conto na pg da Ana Maria Braga!!!!
14/04/2007 23:32:34
Parabéns, estou vendo que você é uma mulher nota 10, assim como o conto acima!
Mulherão
19/06/2006 22:26:45
Como meu amigo de cima disse esse conto não é meu, mas acho que o autor merece reconhecimento. É um conto pelo qual me apaixonei desde a primeira vez que o lí. Resolvi compartilhar a sensibilidade do autor, que entremeado ao erotismo não deixou de dar um toque romântico ao ato mais sublime (msm que não seja assim tão puro) que é o amor. Contudo o que me chamou atenção foi o final... achei muito interessante e sutil ele dizer o que queria, ou melhor ele insinuar e mesmo não dizendo claramente deixou claro que gostaria de ir além do que já tinha alcançado. A perseverança do cara é admirável. Beijos e obrigado por comenterem!
Príapo
18/06/2006 11:56:39
O escritor, Miguel da Costa Franco, é escritor profissional mesmo, poeta e habitual colaborador do site http://www.nao-til.com.br/ não sei exatamente se é escrittor e poeta mesmo, mas não é amador... E o conto é bem legal... Não fui eu que coloquei o conto, mas suspeitei que fosse coisa de profissa (Mulherão, a "autora" do conto não omite a informação e até coloca o autor original no texto...) e fui procurar informação...
Kaká
18/06/2006 08:49:13
Camarada Isto é um verdadeiro conto erótico...parabéns. Sua escrita é correta...mostra sensibilidade que o amor exige. Algumas vezes começo a ler contos que são pura pornografia...o seu, ao contrario é sublime... Mais uma vez...parabéns

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.