Casa dos Contos Eróticos

Feed

BUCETA GIGANTE, TRACEI

Autor: Lord Thom
Categoria: Heterossexual
Data: 01/01/2006 09:07:00
Nota 10.00
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Um Sonho Impossível?

Este relato e de um fato verídico, assim como todos os nomes e apelidos dos envolvidos também são reais.

Meu apelido e Thom, no inicio de Dezembro de 2003, quando ocorreu o fato eu tinha 62 anos, 1.73 alt. 76 kg. cabelos grisalhos, bigode grisalho, não sou bonito, sou charmoso, simpático, romântico, carinhoso e respeitador (até demais), estava passando uns dias em uma colônia de férias, com minha esposa Sueli, na época 58 anos, 1,60 alt. 68 kg. fofinha do jeito que eu gosto, na cidade de Serra Negra, uma estância turística no interior do estado de São Paulo.

Temos dois filhos, Fernando (Fê) com 36 e Ana Paula (Aninha) com 30 anos, me deram 3 netos.

Chegamos no sábado, já estávamos na terça-feira e ficaríamos até segunda-feira da outra semana.

Desde minha chegada havia reparado em uma morena linda, deliciosamente linda, seu corpo despertava fantasias maravilhosas em minha cabeça, despertava em mim

“Um Sonho Impossível”. Eu a espionava em brincadeiras com seus dois filhos, presumivelmente um com 10 e outro com 8 anos, na piscina então com seu biquíni minúsculo de quem sabia que podia exibir-se, nas suas caminhadas pelo bosque, atrás dos chalés, enfim, eu sempre encontrava maneiras e lugares para contemplar aquela fêmea magnífica, pelo menos para mim, pois creio que ela tinha em torno de 1,70 de altura e mais de 75 kg., porem, tudo magistralmente distribuídos. E assim a contemplei todos esses dias, querendo gravar em minha memória cada detalhe de seu rosto lindo, meigo, olhar tranqüilo, e o seu corpo. Ah, que corpo. Comecei a desejá-la

como há muito não desejava alguém, eu “comia, devorava com os olhos e com a mente” aquela jovem. Comecei a imaginá-la nua, e fantasiei momentos inebriantes com ela.

Mas voltava a realidade e concluía novamente é “Um sonho impossível”.

Pois bem, nesse dia, terça feira, almoçamos e subimos, eu e Sueli, para um “cochilinho”, logo Sueli adormeceu, porem aquele dia estava insuportavelmente quente, não consegui ficar na cama, então fui para o Bosque para ler e desfrutar daquele lugar paradisíaco.

Caminhando por ali não encontrei ninguém, então virei uma das ruas e eu a avistei.

Ela estava especialmente linda, naquele inicio de tarde calorenta.

Sentada naquele banco branco de madeira, em meio aquele bosque arborizado e florido, irradiando um frescor e um perfume que bailava no ar e nos relaxava totalmente, ela lia um livro tranqüilamente, o que lhe emprestava um ar de paz e segurança.

Ao olhá-la, pude perceber sua figura graciosa dentro de um conjunto preto composto de bustiê e calça ate acima dos joelhos, totalmente colada em seu corpo delicioso.

Sentei-me em outro banco há 2 ou 3 metros dela. Virei para o lado direito e comecei a ler meu livro, ou melhor, tentar ler, e podia observá-la por cima do mesmo.

Ela começou a remexer-se no banco, o que me preocupou, achei que ela havia percebido meus olhares insistentes e estava incomodada com isso. Imediatamente mudei de posição para que ela não me visse como um coroa “abusado” “sem vergonha”, nem um minuto depois ela estava de pé a minha frente e disse:

-Oi, posso? Disse apontando seu dedo para o lugar ao meu lado.

-Claro que sim fique a vontade.

-Meu nome é Leila.

-Muito prazer, me chame de Thom.

Embora o banco fosse grande, ela sentou-se quase colada em mim, e dessa forma nossos braços se tocavam, o que me causava um arrepio que percorria minha espinha

e fazia minhas mãos suarem frias.

Iniciamos um papo descontraído sabendo cada um detalhes da vida do outro.

Pude saber que ela era Engenheira Civil e trabalhava em uma grande construtora de Sorocaba, e seu marido era Engenheiro Mecatrônico (nem imagino o que seja isso), em todo caso entendi que era uma família abastada, com uma vida financeira bastante generosa, enquanto que eu um aposentado com um salário de fome.

Sem esta nem aquela ela pergunta:

-Conhece o riacho?

-Sim conheço.

-Vamos até lá?

-Claro, vamos sim.

O riacho ficava há uns 500 mts. de onde estávamos.

Lá chegando nos sentamos no chão, ali era um lugar de leve declive que facilitava o sentar.

Fomos apreciando o correr manso das águas desse riacho e o suave murmúrio do mesmo, falávamos baixinho, como se fossemos confidentes, não queríamos estragar aquele momento.

Não sou exatamente um jovenzinho atirado, mas não sei de onde tirei coragem para pegar em sua mão. Não me importava agora qual seria sua reação.

Para minha surpresa ela não só aceitou como apertou forte a minha mão como quem estivesse esperando esse gesto ansiosamente.

Ela puxou-me e nos deitamos de costas no chão, mãos dadas e silentes.

Novamente ela toma a iniciativa, vira-se para o meu lado e busca meus lábios, e assim selamos aquele momento mágico com um beijo quente molhado, nossas línguas se buscaram, se roçaram, sua língua invadia minha boca, a minha invadia a dela, e assim ficamos nesse beijo prolongado, suave, mas intenso, sem ansiedade, sem pressa, curtindo cada uma das sensações que vinham aos nossos corpos que já ardiam febris de desejo e paixão.

Minha mão direita ávida começou a percorrer aquele corpo macio, suave e quente, seus cabelos, sua nuca, seu pescoço, seus colo, seus seios, sua barriguinha, embora “fofa”, era lisinha. E assim minha mão desceu por suas coxas grossas macias, firmes pelos exercícios, minha mão direita descia pelo lado externo de uma coxa e subia pelo interior da mesma chegando até a virilha, e depois fazia o mesmo na outra coxa.

Ela começou a gemer baixinho, quase como um suspiro mais alto, e sua mão esquerda

que acariciava meu peito, agora tomava novos rumos, até que chegou em meu membro duro. Começou a massageá-lo devagar como que explorando para saber suas dimensões (não sou como a quase totalidade dos que aqui colocam contos que tem um pau sempre acima dos 20 cm., não, o meu pau é normal como a maioria 16 cm. por 6 cm. de diâmetro).

Agora minha mão já procurava uma maneira de tocar sua vagina, no que ela me ajudou puxando o elástico de sua calça junto com o da calcinha.

Que momento de encanto, não sei descrever as emoções que eu sentia, era desejo, era paixão, era algo novo, diferente. Quanto eu desejei aquela jovem em meus devaneios, tocar aquela pele lisinha, macia, que sensação tomou conta de meu ser. Já não havia mais riacho, plantas, arvores, não me interessava se alguém viria ali e nos surpreenderia, não nada mais havia, só ela e eu.

Minha mão tocou seu monte de Vênus, seus pelos macios e suaves, me deliciei ali por instantes e já comecei a percorrer sua virilha direita, depois a esquerda, e ela começou a erguer seus quadris em busca de um pênis que não alcançava. E seus quadris esguios tão desejados por mim, subiam e desciam, iam da esquerda para a direita num movimento que me deixava num frenesi de desejo quase que insano.

Nossos lábios continuavam unidos, como se nunca mais fossem se separar, aquela troca de salivas, a troca até das respirações ofegantes, nossos corpos se procurando, até que minha mão tocou sua vagina, abri seus grandes lábios e finalmente toquei aquela vulva deliciosamente encharcada, ela deu um gritinho abafado e mordeu meu lábio inferior. Iniciei uma exploração de cada milímetro daquela bocetinha, enfiava ora um dedo, ora dois dedos, voltava para seu clitóris e massageava carinhosamente e ela enfiou sua mão por dentro de meu a brigo e de minha cueca e tocou meu cacete, a esta altura também muito molhado por aquele liquido de pré-gozo, e começou a masturbar-me.

Nós dois, agora loucos, fora da realidade, gemíamos e nossos corpos se contorciam como uma dança altamente erótica.

Nós nos buscávamos, queríamos mais, queríamos tudo, mas ali era desajeitado, o chão duro desconfortável, não nos permitia, tirei a mão de Leila do meu pau para não ejacular, pensando no que diria para Sueli, caso isso acontecesse.

Então passei a masturbá-la, e ela freneticamente rebolando seus quadris me diz:

-Vem vindo, não para Thom, mais, enfia amor, enfia tudo amor, continua, agoraaaa.

E apertou minha mão com força de encontro a sua vagina, enfiei dois dedos e fiz um vai e vem até que ela se ajeitou, relaxou e com os olhos fechados deixava a respiração voltar ao normal. Pude sentir seu liquido escorrer pelos meus dedos, pelas suas virilhas. Tirei minha mão e chupei com vontade meus dedos encharcados com o gozo da Leila, e ela vendo isso me disse:

-Thom amor, me dá esses dedos quero sentir também esse gostinho do meu próprio prazer.

-Leila, você não me ama claro, nem imagino por que isso aconteceu, é algo inusitado, jamais poderia supor uma coisa dessas, mas te garanto foi mais que maravilhoso.

-Olha Thom, eu te chamo de amor porque o momento pede, nesse momento nós estamos nos amando, estamos fazendo amor e gostaria que você também falasse que me ama ta?

-Ok meu amor, disse sorrindo para aquela figura magistral em todos os sentidos.

-Então estamos combinados, certo AMOR?

-Você quer dizer que teremos outra, ou outras oportunidades de nos chamarmos de amor?

-Claro que sim Thom, afinal te devo uma, você não gozou.

-Você é mesmo uma maluquinha, quando e de que forma nos veremos de novo?

-Isso o destino se incumbira de arranjar.

Nisso começamos a ouvir vozes alegres que vinham lá de cima nos caminhos do bosque, olhamos o relógio, 17:45 h. era o pessoal que começava a caminhada da tarde.

Nos despedimos com mais um beijo terno e demorado, ela levantou-se e se foi sem olhar para traz. Levantei-me e sai dali por outro lado tentando desviar minha atenção do ocorrido, para meu pau amolecer, alias já estava até dolorido, pela falta de gozo e pelo tempo demorado que permanecia duro.

Fui para o chalé e literalmente “avancei” sobre a Sueli que nada entendeu, fizemos amor como há muito não fazíamos.

Quarta feira, logo pela manhã, após o café, fomos para uma sala grande, com sofás e poltronas, para ler os jornais, quando Leila chegou pegou uma revista e veio sentar-se no mesmo sofá que eu estava com Sueli, meu coração disparou. Ela nos cumprimentou e começou a conversar conosco, realmente ela era corajosa.

As pessoas começaram a deixar a sala, inclusive Sueli que foi até o chalé, eu estava até tremulo, pois esperava aquele local esvaziar para beijar aquela boca carnuda, mas meus planos falharam porque seu marido chegou, mas antes disso ela disse baixinho:

-As 14:00h no mesmo banco. E saiu com o marido.

Como as horas demoram a passar em certas ocasiões.

Finalmente as 13:30h eu já estava no local combinado e ela chegou no horário,

maravilhosamente bela, esfuziante, altamente desejável.

Num entendimento mudo saímos dali com o mesmo desejo, achar um local apropriado para fazermos o que tínhamos em mente.

Andando chegamos na estrebaria, não tocávamos nenhuma palavra, o momento era de pura emoção e ansiedade. Havia um quartinho, porém muito abafado e mal cheiroso, saímos, fomos para traz dos estábulos, um local agradável, todo gramado e com muitas plantas e folhagens, passamos por elas e estávamos em seguida na beira do riacho, agora bem protegidos por essas folhagens e bem distante dos locais com movimento.

Sem palavras nos abraçamos e nos unimos em um beijo, agora quente, molhado, ardente.

Meu pênis endurecera como que com vida própria, nosso abraço parecia querer fundir nossos corpos em um só corpo, nossos lábios não se separavam, quando percebi, estávamos deitados. Nossas mãos ávidas tateavam nossos corpos ardentes pelo fogo da paixão e do desejo. Estávamos febris, quentes, suados, gemendo baixinho.

Minhas mãos agora acariciavam aquela bunda, que eu tanto desejei, e subia pelo seu quadril, para suas costas, desajeitadamente, afoitamente, ergui sua saia e tirei, ou melhor, arranquei sua calcinha, ela como que desvairada subiu, subiu não, trepou sobre meu corpo, fazíamos tudo como se fosse a última coisa que faríamos em nossas vidas, como dois jovenzinhos inexperientes.

Parei, respirei fundo e tomei a iniciativa. Agora com calma e dominando nossos ímpetos, nossos arroubos de adolescentes, tirei-a de cima de mim, deitei-a de costas no chão e ela percebeu que estávamos “muito doidos” e também recuperou seu autodomínio, aí sim, começamos a nos acariciar, a explorarmos nossos corpos. Abri sua mini blusa e um belo par de seios surgiram a minha frente, comecei a beijá-los, lambê-los fazendo círculos ao redor deles, mordiquei cada um centímetro daqueles seios generosos até que cheguei em seus mamilos e mamei como uma criança faminta, chupei com vontade, com tesão, lambi, mordi ora, um ora outro com sofreguidão.

Nossas respirações estavam totalmente descontroladas, narinas abertas buscando o ar que parecia faltar, o coração disparado, eram os sintomas de nosso mutuo desejo.

Ela me apertava, me puxava contra seu corpo, suas mãos buscavam meu pênis, que estava fora do alcance delas. Desci para sua barriguinha, lambi, beijei, cheirei e desci mais, até a virilha direita, minha língua inquieta passeava por toda sua extensão e depois fazia o mesmo na outra virilha, minha fêmea parecia estar no cio, gemia, dizia palavras sem nexo e puxava minha cabeça querendo que eu fosse direto para sua vagina, mas eu a torturava de prazer, dava um rápido beijinho no meio de sua fenda e já ia em direção ao interior de sua coxas grossas, macias, quentes, apetitosas e fiquei por um bom tempo nessas explorações com a boca e com a língua, até que finalmente, já que nem eu com todo controle agüentava, fui para sua vagina, que coisinha mais linda e delicada parecia uma concha fechada, mal disfarçada por pelos bem delineados. Fui abrindo aquela fenda com quem abre um tesouro. Abri, olhei, olhei não admirei quase extasiado, queria ficar eternamente olhando para ela, e depois cheirei, aspirei aquele aroma que sai da vagina no ápice do tesão. Aquele cheiro me embriagava, e cada vez que eu aspirava, meu pênis pulsava, latejava com mais vigor, quase exigindo a penetração imediata, me segurava e continuava dando o tratamento que aquela jovem fêmea, em pleno cio, merecia.

Agora que já conhecia o seu “cheiro inebriante” passei a sugar aquela fendinha magistral, com todo o cuidado que uma jóia delicada merece, eu beijei, lambi de cima para baixo, de baixo para cima, seus grandes lábios, seus pequenos lábios, até que cheguei a sua “gruta do amor”, e ali minha língua se deteve sorvendo cada gota do seu mel, aquele liquido que mostra a excitação da mulher e que a prepara para ser penetrada. Era saboroso, era como um licor de sabor delicioso, queria sugar todo aquele liquido que era abundante nela, pois escorria até suas nádegas, as quais lambi prazerosamente.

Embora o local fosse desconfortável e não facilitasse nossas ações, nosso tesão, nosso desejo era mais forte que tudo, e a tudo superava com proezas incalculáveis. Minha língua penetrou aquele buraquinho rosa, quente, quase febril, molhado, e ela gemeu mais alto, e fui enfiando e tirando a língua, subia para seu clitóris e lambia vagarosamente e em seguida rapidamente, e beijava aquela boceta como se fosse uma boca carnuda e tornava a lamber a chupar a sugar aquele clitóris, a sua anca não parava, subia, descia, ia para os dois lados, ela estava angustiosamente querendo meu pênis duro, mas eu a levei a loucura quando seu orgasmo veio intenso, total, pleno, vigoroso, ela chorou de prazer, e o liquido que saiu dela foi em grande quantidade, ela literalmente ejaculou(falarei no fim sobre ejaculação feminina) e eu bebi tudo aquilo como se fosse o néctar dos deuses o que também me deu tanto prazer como se também tivesse gozado.

Ela se refez rapidamente, abaixou minha bermuda e minha cueca e começou a chupar meu pau, falávamos pouco, quase nada, não era necessário palavras, os atos falavam por si só. Sugou o pênis de maneira voluptuosa, lambia, beijava e sugava novamente, parava de chupar e olhava prazerosa enquanto batia uma punhetinha, eu estava a ponto de ejacular, pedi para que Leila parasse, pois o meu primeiro gozo seria dentro dela, e assim fizemos.

Naquele momento, muitas coisas passaram em minha lembrança, todo aquele desejo contido, todos os sonhos e fantasias que tive com essa jovem, e no fim com tristeza lembrava de minha idade e da idade dela, igual da minha filha, mas agora o que importava era o que estava por acontecer, iria penetrar aquela fêmea exemplar de beleza, de requinte, de elegância, enfim estava ali aberta para me receber, seu receptáculo novamente encharcado me esperava ansiosamente, olhei mais uma vez para aquele monumento deitado na relva, pernas lisas, macias, grossas, totalmente escancaradas só para mim, o “SONHO IMPOSSIVEL” iria tornar-se realidade.

Fui agindo como se fora um ritual de prazer e gozo, ajoelhei-me, meu pênis ereto e expelindo o liquido do pré-gozo, deitei-me por cima daquele corpo moreno, bronzeado, quente, suado, meu pau encostou em sua xaninha, ela a abriu para mim, então comecei como que a pincelar todos os meus sonhos e desejos naquela vagina

quente, molhada, e subia e descia meu cacete até que ela sem mais se agüentar, quando meu cacete estava na entrada de sua boceta, fez um movimento rápido com os quadris e meu pau afundou-se dentro dela.

Gememos o mesmo gemido ao mesmo tempo, foi como um orgasmo para ambos, e aí comecei o movimento de ir, e vir, entrar e sair, e nossos movimentos eram ritmados, como se sempre fizéssemos sexo juntos, nossas bocas estavam repletas pelas nossas línguas, num beijo eterno, como se um quisera sugar o outro para dentro de si, nossos corpos suados, colaram-se, quase se fundindo num só corpo, e assim fomos, por cinco minutos, talvez, nossas mãos nos apalpando, nos explorando, até que simultaneamente nos agarramos, respirações ensandecidas, corações batendo a mil, e gozamos, ejaculamos, tive o maior orgasmo dos últimos anos, rolei de lado e deixamos tudo se aquietar, tudo voltar ao normal, até que finalmente e infelizmente tirei meu pênis já amolecido de dentro dela.

-Leila, eu te amo, eu disse.

-Eu também amo você Thom.

-O que será de nós agora amor?

-Queria que o tempo parasse agora Thom.

-Mas não vai parar amor, e eu quero saber do nosso amanhã.

-Thom não vamos pensar, hoje ainda e quarta-feira.

-Certo Leila, até domingo ainda nos encontraremos.

Se Leila desejasse, eu abandonaria Sueli naquele instante, mas que loucura, que coisa sem propósito, eu não estava raciocinando com lógica, estava ainda ao sabor daquele momento surreal para mim.

Deixamo-nos ficar por mais 1 hora conversando, nos acariciando, nos beijando, rindo, brincando, como dois adolescentes, até que chegou o momento de nos separar.

Selamos aquele momento magistral com mais um longo e ardente beijo e nos fomos, deixando ali no ar o cheiro do sexo, e um pouco de nossos sentimentos que com certeza ficariam marcados ali para sempre.

Não conseguimos mais nos encontrar a sós nem opor um instante, tudo conspirava contra nós.

Mas a nossa oportunidade chegou no sábado a noite quando foi oferecido uma brincadeira dançante marcando a despedida do grupo que iria embora domingo a tarde, o grupo da Leila.

Durante o baile, muito animado, divertido, todas as pessoa alegres, risadas altas, ninguém prestava atenção em ninguém, quando Leila me deu um sinal e saiu para o jardim.

Dei um tempo e fui atrás dela. Lá estava ela em um canto escuro, linda como sempre, seus cabelos negros novamente presos em rabo de cavalo, uma blusa leve e notava-se sem esforço que ela estava sem soutien (sutiã), corri para ela e nos abraçamos, a despedida começava a fazer presença.

Beijamo-nos longamente, primeiro um beijo terno, amoroso e logo depois se transformou em um beijo ardente de desejo puro, de tesão armazenado.

Nos abraçamos tão forte que chegava a doer nossas costas, ela começou a chorar baixinho. Eu muito comovido com um nó na garganta, mesmo já sabendo a resposta, perguntei:

-O que houve amor?

-Nossa despedida Thom, esqueceu?

-Claro que não Leila, mas a vida não acabou, sempre poderemos nos encontrar.

-Mas não será como aqui, onde sempre estou te vendo, sempre sei onde você está.

Nos apertamos ainda mais. Começamos a nos acariciar, a nos apalpar, o desejo que já estava no ar, aumentou. Ela começou a massagear meu pênis, que já estava duro, por cima da calça mesmo e eu apertava suas nádegas, suas coxas, busquei sua vagina, mas ela estava de jeans o que dificultava qualquer tentativa mais ousada.

Quando estávamos por explodir de tesão, ela encosta de frente para a parede e rebita a bunda estonteante, imediatamente desci seu jeans, estava sem calcinha, e aquela visão estonteante ali ao meu alcance, toquei, acariciei, apertei, beijei, lambi, ela arrebitou ainda mais sua bunda, e apareceu a minha frente seus anus e sua vagina, vizinhos quase colados, sem pensar ajoelhei e lambi sua vagina e seu anus, onde introduzi minha língua, ela gemeu baixinho.

-Thom, não podemos demorar e arriscado.

Nem respondi, levantei tirei meu pinto para fora, apontei para sua xaninha e penetrei aquela gruta do amor, de todos os meus devaneios, de todos os meus prazeres.

Ela interrompeu aquele vai-e-vem alucinado e disse:

-Amor quero te dar um presente.

-Qual?

Ela pegou meu cacete já lubrificado pelo seu mel, encostou na porta de seu cuzinho, não acreditei, era demais para mim, mas, não me fiz de rogado e fui penetrando aquele buraquinho apertadinho, muito apertadinho, depois ela me disse que era pelo pouquíssimo uso, seu marido não gostava.

Enquanto eu bombeava aquele cu delicioso ela massageava seu clitóris numa siririca que me causava mais tesão ainda, infelizmente não demoramos muitos e explodimos num orgasmo mutuo delicioso, era como chegar ao Nirvana.

Não tínhamos mais tempo, a música tinha cessado para descanso dos músicos, precisávamos entrar antes que desse pela nossa falta.

Nos beijamos louca, desesperadamente era o adeus.

Ela deu-me um número de telefone de seus escritório, pediu que eu ligasse sempre após as 15:00 h. nos despedimos já com saudade. Ela pediu que ligasse logo, que não demorasse.

-Adeus Thom.

-Adeus não, até logo mais.

Ela enxugou as lagrimas que teimavam em rolar pelas suas faces.

Aos leitores quero dizer que sobre ejaculação feminina existe muita controvérsia, há correntes que dizem que ela não existe e outra corrente que afirmam que sim.

Vou postar aqui um depoimento maravilhoso, cheio de provas cientificas provando que as mulheres, tal como os homens, ejaculam, umas pouco, quase se confunde com o lubrificante vaginal, outras normalmente da para percebermos, enquanto que outras ainda ejaculam com abundancia, os homens também são assim, não existe uma quantia igual de um para outro.

A quem duvidar da ereção demorada de meu pênis eu informo que sou Esotérico, ou seja, Tarólogo, Numerólogo, faço Feng Shui e fui praticante de SEXO TÂNTRICO, e recomendo a todos que querem ter uma relação sexual de altíssima qualidade que se interessem por aprender isso, pesquisem na Internet antes de mais nada para não imaginar que estou falando bobagem.

Sugestão: Não desprezem coroas, homens ou mulheres com mais de 40 anos, mais de 50 anos, não procurem um relacionamento com eles (as) e procurem descobrir seus mistérios, absorves seus conhecimentos, e ganharão em pouco tempo anos de experiência, creiam.

Aos cuecas de plantão, abraços;

As calcinhas insatisfeitas, um beijo.

thom.com@pop.com.br

thom.com@ibest.com.br

Comentários

22/05/2010 08:10:36
muito bem escrito. deve ter sido de deixar as bolas doendo. parabéns.
07/05/2008 17:20:02
bem legal, gostei
o-mala
10/02/2006 07:44:04
bacana o seu conto mas isso realmente aconeceu´???? e vc ainda se encontra com ela???
rosita
07/02/2006 06:37:56
me identifiquei muito com o seu conto, Ja sai com um coroa de 60 anos e o cara foi show de bola.....nunca pensei que fosse ter uma experiencia tao boa e louca com alguem 25 anos mais velho que eu.
Garotao Surfista
28/01/2006 16:33:52
Um dos melhores que ja li
Karaio
28/01/2006 16:16:29
Thom tdbom punhetei legal
MALUKU
25/01/2006 21:48:47
LORD - AÍ TU ACORDASTE, CERTO?
rick
24/01/2006 14:35:07
copiar não vale...
Reginaldo Gadelha
22/01/2006 12:26:32
Eu elogiei porque estava drogado
Euzinha
22/01/2006 12:25:47
Nooooooossssaaaaa que delicia de conto, excitante, delicioso, ta vendo, sexo não precisa de baixaria
Durangão
22/01/2006 12:25:00
Ta legal
Durango
21/01/2006 15:56:59
Valeu véio, melei a cueca
Alizon
21/01/2006 15:47:44
Eu sou burro e ingnorante mesmo
Lord Thom p/Alizon
21/01/2006 15:47:13
C vc chegar a minha idade ja sera muito. Endurecer o o mastro só qdo vc morrer.rsrsrs
Alizon
21/01/2006 12:12:49
Um velho de 60 anos ainda aguenta.....O papai Noel Existe Também... mas, valeu pela historia
Reginaldo Gadelha
14/01/2006 23:13:14
Paraabens pelo conto, altamente sensual. Digo que este é um dos melhores contos que vieram esse mes de janeiro Parabens
SINISTRO
12/01/2006 14:25:34
MARIA, PUTAS NÃO FAZEM AMOR, PUTAS TREPAM, FODEM, TRANSAM, ETC... QUER TREPAR COMIGO? MANDE E-MAIL PARA: SDRSOARESS@YAHOO.COM.BR BEIJOS DO SINISTRO
Maria
11/01/2006 16:44:57
Thom, Achei seu conto excelente. Como o Marcio falou, vc transitou entre o delicado e o erotico, de uma forma gostosa e sensual. Parabéns!!! Fiquei muito excitada e cheia de vontade de fazer amor.
Marcio
10/01/2006 15:04:07
Thom Voce, é muito bom cara. Não perca tempo vai ganhar dinheiro escrevendo. Foi o melhor conto erotico que já na vida. Voce consegue transitar entre o delicado e o erotico sem baixarias. Puro erotimos com muita classe. Escreva um livro ocrie seu site de contos eroticos com contos seliconados por voce. Ganhe dinheiro e que a proximas ferias sejam de fartura. Parabens. Marcio
Alex
10/01/2006 12:59:22
Muito louco!!! Quando chegares na idade de não fazer exatamente nada, seje escritor e conte essas histórias. Você manda muito bem com as letras, não digo com o resto pois acho que com certeza faria melhor, rsrsrsrsrs!!! Falando sério, o que seria da vida sem esses pequenos momentos!!! MMMMMuuuuuuiiittttoooooo dez, vovô!!!!!!!!!!
A Todos leitores
08/01/2006 13:45:23
Fico grato pelos elogios, pelos e-mails, e quanto a ficar bravo com comentarios maldosos, jamais, sei que são pessoas de gosto duvidoso, que fazem sexo pelo sexo Beijos
Ksado40
08/01/2006 13:43:24
Olha amigo tem horas na vida que detalhes passam a ser apenas detalhes. Grato pelo elogios meu e-mail: thom.com@pop.com.br
ksado 40
07/01/2006 22:26:51
adorei seu conto , achoi que foi bem explicativo e com muito detalhes, mas uma coisa me encomoda, quando vc fez sexo anal com essa mulher e ejaculou dentro dela, ou seja soltando todo seu liquido nela, ja que ela nao usava calcinha e teve de entrar rapidamente para sala de danças, sabemos muito bem que todo liquido tem de sair um dia . minha pergunta , seu jeans nao ficou manchado quando elka começou a caminhar ? realmente essa parte nao ficou explicada . mas valeu gostaria de conversar com vc por e-mail
CAÇADORA
07/01/2006 15:42:40
fOI O MELHOR CONTO QUE JÁ LI ATÉ HOJE. LORD, VC ESTÁ DE PARABÉNS. GOSTARIA DE ENCONTAR ALGUÉM ASSIM COMO VC, PARA UMA "AVENTURA". BJ.
Mel
07/01/2006 15:40:00
Que peninha Lord Thom que não saibam apreciar o sexo sem baixarias, Parabéns e não fique bravo ta? Bjusssss
06/01/2006 14:59:00
POR FAVOR SEM BAIXARIA . MAS GOSTEI DA ESTORIA
Sueli - mulher de Lord Thom
05/01/2006 05:22:30
Seu velho filho da puta, acha que saiu no lucro, né? Saiba que naquele que você achou que eu estava dormindo no quarto eu apenas estava fingindo. Quando você saiu, três rapazes vizinhos vieram ao quarto e nós transamos até quase a hora que você chegou, seu corno.
Lord Thom
05/01/2006 05:18:08
Peço perdão a todos que leram a essa mentira que inventei. Desculpe, sou um velho com problemas de ereção que não transa com ninguém.
Allsopi
03/01/2006 14:19:29
Prezado Amigo, Fazia muito tempo não lia algo que fosse tão siples e bom, parabens. Quanto a ser verdade ou não cabe as verdaes e mentiras que cada um temos
dkid
02/01/2006 16:41:16
valeu pela esperiencia meu amigo, o seu relato me fez lembrar de um caso que virou amor e so não deu certo pq sou casado mais me emocionei muito valeu pelo momento
Fernando
02/01/2006 16:14:52
Nota 10 pro Senhor.
picaduracabral
02/01/2006 14:08:03
conto nota dez., se é verdade ou não. o conteúdo achei muito legal e excitante., concordo totalmente com o final do texto...afinal tenho mais de 40 e tbém faço o Que muitos e muitos rapazes não conseguem...e qdo conseguem., só atraves de drogas e outras coisas..rs..rs.... walew!!!!!
gryzalho
02/01/2006 13:27:55
Dale vovómete rola nela vovó
mauricio c
01/01/2006 19:25:35
excelente conto.vc tem algum livro publicado?
Lord Thom
01/01/2006 16:30:44
Reinaldo, eu coloquei esse relato com outro nome "Sonho Impossivel?" para ver se mais pessoas iriam se interessar, só por isso, a turma gosta mais de coisas apelativa concorda?
Lord Thom
01/01/2006 16:28:47
Fireman grato pelo elogio, eu arrisquei escrever porque aqui existem pessoas que vem só para fazer criticas destrutivas
Lord Thom
01/01/2006 16:27:06
Neronervoso, grato pelo comentario favorável. Acreditar ou não depende de cada um, eu lhe garanto a veracidade dos fatos, não teria porque inventar.
neronervoso
01/01/2006 16:09:40
vc é um bom escritor, se tudo isso fosse verídico seria o máximo..
FIREMAN
01/01/2006 14:03:23
Muito bom, excitante.
REINALDO
01/01/2006 12:18:32
Pô Lord nada ha ver com o titulo, mas é muito bom

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.