Casa dos Contos Eróticos

Feed

EU E MEU SOGRO, UMA TRAIÇÃO PERFEITA.

Autor: Marcinha
Categoria: Homossexual
Data: 09/01/2006 10:58:16
Nota 7.50
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia
Clique aqui para vídeos gay

Não gosto muito de escrever, mas resolvi contar esta história que aconteceu comigo, pois preciso compartilhar os momentos mais gostosos de minha vida. Até o momento, é claro. Meu relato é meio longo, mas acho que vale a pena ler até o fim, pois vou relatar momentos que toda vez que relembro, me deixam louca de tesão.

Sou uma garota normal, tenho 18 anos, Morena, Baixinha 1,57, magra 42 Kgs e por ser assim “pequena”, senpre me senti pouco atraente, sempre achei que os meninos de minha idade tem preferência por mulheres com Corpão, bunda grande, seios fartos. E eu, com meu corpinho magro, seios médios, um bundinha até bonitinha, redondinha, mas pequena, sempre tive um pouco de dificuldade em meus relacionamentos.

Bom, faz uns 6 meses que comecei namorar o Antonio. Estudamos no mesmo Colégio. Ele também tem 18 anos e estudamos juntos desde que eu tinha 10 anos de idade. Na verdade, acho que nenhum dos dois imaginava que iríamos namorar, pois éramos muito amigos e eu freqüento a casa dele desde aquela idade. Sempre que podia eu passava as tardes com ele, brincando de Vídeo Game, conversando, fazendo trabalhos juntos. Só que a uns 4 anos atrás os pais dele se separaram e ele passou por uma crise complicada. Ele continuou morando com o Pai, que tem uma loja de móveis na parte de baixo da casa e a mãe dele foi morar em outra casa. Bom o Toni sempre foi mais apegado ao Pai, alem de que a casa também fica próximo do Colégio.

Bom, com a separação acabamos nos afastando um pouco, pois o Toni queria um tempo para ele mesmo, só que após 3 anos meio afastados eu resolvi me aproximar dele novamente. Voltamos a conversar e ter a amizade anterior, só que era diferente, já não éramos mais crianças. Ele virou um garoto bonito e forte. Inteligente ele sempre foi. E eu... Bom eu já disse, não me sentia satisfeita com meu corpo, mas como alguns me consolam, sou o tipo Mignon.

Começamos namorar e consequentemente voltei a freqüentar a casa dele. Só que normalmente eu ia após a aula, com o uniforme do colégio, que por sinal é horrível, uma calça larga, camiseta, Blusa larga. Ou seja, se já sou magrinha e sem graça, com aquele uniforme então, fico mais horrível ainda. Nestas idas na casa do Toni, sempre encontrava o Pai do Toni, que por sinal, para mim ficou claro a quem o filho puxou. Um homem lindo, Alto, deve ter mais de 1,80, forte, faz academia, e muito simpático. Tem o cabelo preto e grisalho, lindo e com um olhar super gostoso. Sempre que chegávamos em casa, ele vinha atrás, para ver se já tínhamos almoçado, se precisávamos de algo. Ele é muito preocupado com o Toni e eu o admirava muito por isso, bom além dele ser um Super Gato.

Um dia, resolvemos ir ao Cinema no sábado, e marquei para passar na casa do Toni pois o Pai dele iria nos levar. O Toni ainda não tinha tirado carta e não podia ir dirigindo. Era um dia quente, típico de verão e eu coloquei uma blusa branca com um decote em V, com uma saia que ficava acima do joelho e uma sandália preta. Fiquei uma gatinha, mas nada vulgar, bem de acordo com minha idade.

Quando cheguei o Toni veio me receber, e pediu para eu entrar, pois o pai dele estava fechando a loja e já iríamos sair. Só que percebi que o Toni ficou me olhando com um jeito diferente. Éramos amigos a muito tempo e quando começamos namorar, ficamos muito nos beijos e abraços e acho que nem um dos dois, pensou nunca em algo mais. Só que pela primeira vez, eu via no olhar dele, algo diferente. Ele realmente gostou do que viu e acho que começou a me imaginar como Mulher e não como amiga. Aquilo me deixou muito feliz, e me deu um certo tesão. Saber que tinha provocado a pessoa que eu gostava.

Nesta época eu já não era mais virgem, tinha perdido minha virgindade com um ex-namorado. O Toni sabia, pois já tinha contado para ele. Mas também sabia que eu não tinha gostado, que tinha sido ruim, que tinha transado umas 3 vezes com o cara para ver se melhorava, mas não melhorou e acabei terminando com ele.

Então, apesar de ser virgem, minhas melhores experiências sexuais se resumiam a tardes sozinhas em casa, me masturbando com meus dedinhos e com o chuveirinho do banheiro. Para falar a verdade, como sempre gostei de me masturbar, acho que esse foi um dos motivos de minha grande insatisfação com o garoto que transei pela primeira vez, acho que esperava muito mais. E acabei trocando ele pelos meus momentos de satisfação solitária, que são deliciosos e curto até hoje.

Bom, voltando ao encontro. Quando ele me olhou com aquele olhar diferente, percebi em seus olhos que havia um brilho, um tesão que nunca tinha visto. Ele me chamou para ir até a sala, que ficava em um mezanino dentro da sala de estar e tinha que subir uma escada. Ele foi até a cozinha buscar um suco e eu fui na frente. Só que parei no meio da escada e fiquei esperando ele. Naquele momento foi um ato sem maldade, minha intenção era aguardar ele voltar, só que quando ele voltou percebi o quanto o deixei embaraçado. Ele olhou para o alto e me viu no alto da escada, o aguardando, só que a única coisa que ele conseguia observar era a minha calcinha, branca de algodão, sobre minha saia. Além disso, minha blusinha era curta, e como não uso sutien, acho que ele conseguiu ver meus seios, que por sinal são durinhos e lindos, por baixo da blusa. Ele ficou anestesiado por instantes, disfarçou e subiu as escadas. Ele quase caiu tropeçando nos degraus, mas conseguiu subir. Deixamos os copos sobre a mesa, e começamos a nos beijar. O clima estava delicioso, pois pela primeira vez, estávamos realmente sentindo tesão um pelo outro e não apenas “amizade”. Aquilo foi uma delicia, pois ele ficou excitado. Percebi que a calça que ele estava usando ficou volumosa, e que os beijos dele ficaram cheios de tesão, retribui com a mesma vontade. Começamos a nos abraçar com tanto calor que quando percebi o Toni já estava apertando minha bundinha, e acariciando meus seios. Ficou delicioso demais, eu todinha molhada, morrendo de vontade de levar aquilo adiante. E foi nesse momento, que o pai dele nos chama. Paramos assustados e olhamos para baixo e lá estava, o pai dele de pé, nos observando. Foi uma cena complicada. Eu nem imagino o quanto tempo ele ficou lá embaixo, parado nos observando. Mas acho que deve ter ficado um tempinho, pois como sempre o achei um gato, não perdi a oportunidade de ver que ele estava excitado, pois havia um volume por baixo das calças que não era normal. Só que ele nos deu uma bronca, e falou que ali não era lugar para essas coisas. Que era para tomarmos cuidado.

Foi chato o clima acabou no mesmo momento e fomos ao cinema.

Só que após esse dia, comecei a provocar mais o Toni e passamos a ter mais momentos como esse, principalmente na casa dele, naquele mezanino. Só que não transávamos, eu não entendo porque, mas era delicioso ficar lá, naquela azaração, naquele tesão. Só que depois eu ia para a casa e me masturbava. Acho que tinha medo de me decepcionar como havia me decepcionado no passado. Então preferia gozar do jeito que eu mais gostava, do meu jeito, no meu ritmo, no meu tempo. E tenho certeza, que ele deve ter gozado na cueca, varias vezes, até porque as vezes eu colocava a mão dentro de sua calça e o provocava mais ainda. Acho que ele gozou varias vezes, ali mesmo, sob as roupas. Eu realmente judiava muito dele.

Com toda esta azaração na casa dele, este tesão todo acabou levando a algo que eu não esperava. Após alguns encontros, um dia eu dei uma olhada para traz, e vi na parte de baixo o Mario (Pai do Toni), ele estava parado, de pé nos olhando. Fiquei assustada e fui parar e ele deu um sinal, dando um sorrisinho quase que dizendo, para continuar. Fiquei sem graça e continuei o que estava fazendo. Ele ficou ali, parado por mais alguns instantes e depois foi embora. A única coisa que percebi é que ele estava novamente excitado. Não contei nada ao Toni, até porque não sabia como o Toni iria reagir e principalmente, porque aquilo me deu um tesão muito louco. Naquela tarde eu sai de lá, passei na loja, dei tchau para o Sr. Mario, coisa que nunca fazia e fui embora. Cheguei em casa e me masturbei, só que desta vez pensando não no Toni e sim no Sr. Mario. Aquele homem, me olhando daquele jeito, tinha mexido comigo. Nunca pensei que iria sentir atração por um homem mais velho, mas pela primeira vez estava com esses pensamentos.

O Toni até achava estranho, porque eu não entrava no quarto dele de jeito nenhum. Mas adorava ficar naquela sala do mezanino. Acho que o Toni nunca bateu tanta punheta como naquela época, pois eu não transava com ele, só queria ficar ali, naquela pegação.

Bom, depois do dia que o Sr. Mario ficou nos observando eu sempre que chegava na casa do Toni, passava na loja, cumprimentava o Sr. Mario e entrava. Era como uma senha, eu sabia que após alguns minutos o Sr. Mario entraria e ficaria lá embaixo, nos observando. Só que eu sempre colocava o Toni em uma posição que ele não conseguia olhar para baixo. Não queria que ele soubesse de nosso segredo. Era delicioso provocar pai e filho, de um jeito tão gostoso, sabendo que os dois após aqueles encontros batiam uma punheta para mim.

Um dia eu estava com o Toni naquele maior clima. O Sr. Mario olhando lá embaixo, eu toda molhada, não me agüentando mais de tesão. Foi então que pedi para o Toni parar, ele não entendeu e o Sr. Mario muito menos. Ele disfarçou na hora e foi até a cozinha para o Toni não vê-lo. Eu estava decidida a provocar aqueles dois de uma forma que nunca tinha feito antes, então fui até o banheiro e tirei minha calcinha. Fiquei só de saia com minha bucetinha todinha molhada. Voltei para a sala e o Toni ainda sem entender o que aconteceu, puxei o Toni para a Grade de ferro do peitoril do mezanino, encostei ele na grade, de costa para a sala lá embaixo. Me encostei nele e comecei a beijar, não demorou muito e Sr. Mario lá estava, nos observando novamente. Só que esta posição que eu deixei o Toni deixou o Sr. Mario mais a vontade, era impossível o Toni ver ele lá embaixo. Além disso, naquela posição eu podia observar o tempo todo o Sr. Mario deixando claro que eu estava curtindo e muito a presença dele. Então eu comecei a beijar o Toni de uma forma que nunca havia beijado antes. O tesão era muito, eu o abraçava, o beijava, com um tesão delicioso. E o Toni entrou novamente no Clima e começou a responder aos meus carinhos, meus estímulos. Ficamos os dois ali, num clima delicioso e O Sr. Mario lá embaixo, curtindo os dois naquela cena deliciosa. Eu olhei para o olho do Sr. Mario, e deu um risadinha, bem safadinha, daquelas que diz, “ta gostando, tá?”. Ele retribuiu com um sorriso muito maroto, do tipo que só um pessoa com a sua experiência sabe dar, daqueles olhares que fazem você estremecer e ficar molhada. Ele gostou tanto do que estava vendo, e de minha entrega à aquela situação que começou a passar a mão sobre o volume de sua calça, que já estava muito grande. Aquilo me excitava mais ainda, pois o Toni entrou no clima e abriu minha blusa e começou a chupar meus peitos, de uma forma deliciosa. Eu estava louquinha, morrendo de vontade de dar, de sentir uma rola me fudendo, de descobrir se poderia ser melhor agora do que havia sido no passado. Minhas pernas estremeciam, minha buceta estava tão molhada que quase escorriam de tanta vontade. Mas eu estava decidida, não iria dar minha bucetinha, só queria provocar os dois ao extremo. Era uma maldade que me fazia muito bem. Foi então, que resolvi fazer algo que já vinha com vontade a muito tempo. O Toni ainda encostado com a bunda na grade, eu mandei ele abrir um pouco as pernas, para deixar elas afastadas. Me abaixei e abri a sua calça. Para provocar o Sr. Mario ao invés de eu me ajoelhar na frente do Toni, resolvi ficar de agachada com as pernas abertas entre as pernas do Toni, ou seja, Com a bucetinha toda exposta para o Sr. Mario, que me observava lá de baixo. Comecei a acariciar a rola do Toni, e logo em seguida comecei a beijar e sugar aquela rola. Não tinha muita experiência naquilo, no inicio foi difícil, mas com um tempinho já fui vendo como era mais gostoso fazer para os meus lábios escorregarem gostoso naquele cacete. Naquele momento estava com minha bucetinha toda exposta para o Pai do Toni e conforme o meu tesão aumentava ao chupar aquela rola, eu não me continha e fazia movimentos com as pernas, de abrir e fechar. Foi então que dei uma olhada para o Sr. Mario e vi uma cena que eu desejava a muito tempo. Ele tinha tirado a rola para fora, uma rola enorme, tão linda quanto ele. Não muito comprida, mas era grossa, deliciosa. A rola do Toni era gostosa, mas naquele momento eu daria tudo para poder descer aquela escada e poder pegar, acariciar e chupar aquela rola linda do Sr. Mario. Voltei a chupar a rola do Toni e comecei a me tocar, passei a acariciar minha bucetinha, imaginando ser o Sr. Mario me acariciando. Eu chupava aquela rola e me masturbava, enfiando o dedinho lá dentro e tirando, em um movimento delicioso. Aquilo estava demais, principalmente sabendo que o Sr. Mario estava lá embaixo, batendo uma punheta deliciosa vendo minha bucetinha molhada, se abrindo e fechando, para ele.

Foram momentos de pura entrega e muito tesão. Eu comecei a gozar feito uma louca, e o Toni também já não se agüentava mais, gritei de tesão, um grito declarando meu gozo ao Sr. Mario. E percebi que o Toni já não agüentava mais, voltei a sugar aquela rola e quando percebi que ele já estava para gozar, tirei minha boca e continuei uma punheta gostosa até que ele me encheu de porra no rosto. Era muita porra, meu rosto ficou cheio, escorria pelos meus olhos, e entrava na minha boca. Neste momento eu me levantei, olhei lá para baixo e vi o Sr. Mario, gozando feito um louco, se segurando para não fazer barulho, mas fazendo de tudo para eu ver a porra dele escorrendo. Comecei a beijar o Toni e o Sr. Mario foi embora. Logo em seguida, o Toni tentou me fuder, mas eu falei que não, que chegaria o momento certo. E que se ele tivesse paciência, ele continuaria tendo momentos de tesão como foram aqueles. Sai da casa do Toni, passei na loja e dei o tradicional tchau para o Sr. Mario, só que naquele dia com um tesão muito maior, pois pude ver como aquele homem era gostoso.

Após este dia, tivemos mais alguns encontros, sempre tão picantes como esse. A cada dia meu desejo ficava maior. Na verdade eu adorava o Toni, mas eu passei a entender que o que eu queria mesmo era o Pai Dele. Até então achava que era só brincadeira, que era gostoso ver ele se entregando daquele jeito por mim. Mas, as coisas ficaram fortes demais para eu conseguir me controlar.

Então as coisas esquentaram. Era sábado e o Toni tinha jogo marcado pelo campeonato do Colégio. Iam jogar futebol em uma cidade vizinha. Eu sabia e até tínhamos combinado de nos encontrar a noite. Mesmo sabendo que ele não estaria em casa, eu fui até lá. Chegando fui direto a loja para falar com o Sr. Mario, como se não soubesse de nada. Foi então que ele me disse que o Toni não estava. Fiz cara de interrogação, como quem não sabia que ele não estaria e perguntei se podia esperar ele chegar, pois provavelmente tinha ido a algum lugar próximo e já estaria voltando. Para minha surpresa o Sr. Mario não falou do Futebol e sim disse que não haveria problemas, que eu poderia aguardar, que provavelmente o Toni teria ido a algum local próximo e já devia estar voltando. É claro que aquilo me deixou intrigada, era a situação que eu queria, que eu havia pensado, mas não esperava que fosse tão fácil.

Ele foi abrir a porta, mandou eu entrar e disse que voltaria para a loja, pois estava meio movimentado, porém eu poderia ficar a vontade e que a casa era minha.

Eu entrei meio sem jeito, até porque pensei que ele iria entrar comigo. Subi até o mezanino que já conhecia muito bem e coloquei um filme para assistir. Nem preciso contar que havia me preparado para aquele encontro. Estava com um vestidinho rosa, bem levinho que contornava meu corpo, como sempre estava sem sutien e meus bikinhos entregavam o meu tesão, estava com uma calcinha linda branca de rendas que havia comprado pensando no Mario.

Sentei no sofá e fiquei lá sossegada. Claro, tentando tirar o seu Mario dos pensamentos, porém era impossível. Estava sozinha naquela casa e quem deveria estar ali comigo, estava lá na loja. Já estava achando que tinha sido uma má idéia, que não deveria estar lá, já estava quase me levantando para ir embora, quando aparece no topo da escada ele, lindo, másculo, forte, com aquele sorriso maravilhoso. Com uma bandeja na mão, com um copo de suco de laranja. Ele usou o suco como desculpa para vir até mim, disse que achou que eu estava com sede e resolveu fazer um refresco. Mal sabia ele, que por minha parte tudo aquilo era premeditado.

Eu agradeci e ele se virou para ir embora, eu perguntei se ele não queria ficar um pouco, para conversarmos, dar uma desestressada do movimento da loja. Ele deu um sorriso e aceitou. Sentou no sofá quase na minha frente e começamos a conversar amenidades, nada sério. Perguntou do Toni, do nosso namoro, uma conversa meio sem graça. Não era aquilo que eu queria, tinha certeza que não era o que ele esperava também, afinal de contas que outro motivo o traria ali, senão o mesmo que eu sonhava.

Foi então que me encostei no sofá e fiquei em uma posição mais relaxada, com as pernas para fora do sofá. Percebi que ele ficou de olho nas minha pernas. Claro que o vestido já tinha dobrado um pouco e já estava cobrindo somente minhas coxas. Comecei então a fazer um movimento bem devagar com minhas pernas, muito sutil, e ele olhava compenetrado, quase não conseguia disfarçar. Foi ai que ele deve ter conseguido ver minha calcinha. Ficou meio sem graça, mas percebeu que eu realmente não estava ali para ver o Toni. Pude ver o volume de sua rola crescendo sobre a calça, ficando enorme, do jeito que eu gostava. Mas ele continuava lá, imóvel com a situação, sem saber o que fazer. Acho que ele nunca imaginou aquela situação, nunca pensou que aquilo poderia acontecer. Estava totalmente vidrado, parecia hipnotizado com o que via. Eu fiquei provocando por mais uns instantes, mas percebi que ele dificilmente tomaria qualquer iniciativa, acho que até com um pouco de receio. Me levantei e fiquei de pé na frente dele, soltei um dos lacinhos do meu vestido deixando meu seio a mostra. Lindinho, bicudinho, parecendo uma pêra. Ele ficou maluco, começou a acariciar aquela rola, e o volume já quase estourava a calça. Meu tesão era tanto mas ele não se levantava, não tomava uma atitude. Dei uma chupadinha em meu dedo, deixei ele bem molhadinho e comecei a acariciar meu peito, passando o dedo em volta do bico. Aquilo me deixou mais excitada ainda. Mas ele continuava lá, vidrado, acariciando a rola, que já quase fugia para fora da calça. Percebi que se eu não fizesse algo, não iríamos sair do lugar. Fui até a poltrona dele, fiz ele se sentar mais esparramado, com a bunda na ponta do sofá, tirei seu sapato, sua calça e pude ver sobre uma cueca do tipo Boxer aquele volume enorme, que tanto me consolou nos meus momentos de prazer solitário. Eu fiquei morrendo de vontade de ir tirando ela para fora, mas me contive. Me ajoelhei na ponta do sofá, com as pernas abertas e ele entre elas. E comecei a abrir os botões da camisa. Um por um, de baixo para cima. Naquele instante foi se revelando o homem de meus sonhos. Um homem forte com um peito lindo, com pelos pretos e grisalhos. É algo inexplicável, que só quem viu pode entender. Era tudo delicioso, principalmente, porque pude sentir a rola dele, ainda presa naquela cueca tocando a minha bucetinha. Aquilo me deu mais tesão ainda. Comecei a beijar a boca dele, esfregando minha bucetinha naquela rola deliciosa. Era deliciosa sentir ela dura daquele jeito e minha bucetinha estava molhada. Explodindo de vontade de ser tocada, de ser fodida. Realmente naquele momento eu estava disposta a voltar a ser fodida, pois percebi que com ele seria diferente. E eu continuei naqueles movimentos deliciosos, acariciando com minha bucetinha aquela rola enorme, enquanto beijava aquele peitoral lindo. Fui descendo, bem lentamente, até que me ajoelhei na sua frente e olhando para o olhos dele, puxei a cueca e pude ver aquela rola enorme, ali, na minha frente, bem de perto, do jeito que sempre sonhei. Percebi que realmente ela era muito gostosa, porem de perto ela era maior do que eu pensava. Uma delicia que começou me preocupar, pois não sabia se estava preparada para uma rola tão grande. Mas nem pensei muito e comecei a sugar aquela rola. No inicio meio sem jeito, pois era grande demais, mas com um pouco de jeito fui me acostumando e comecei a suga-la como muito tesão. Tirei a cueca e deixei ele todinho pelado, todinho expostos para mim. Eu olhava para a cara dele com um olhar bem safadinho e ele não se agüentando, tentava retribuir. Mas o que a cara dele transmitia mesmo era um tesão delicioso.

Ele resolveu se levantar, já estava achando que ele tinha se arrependido, mas que nada, segurou-me pelos braços e começou a me beijar. Senti a rola dele, tocando em minha barriga, pois ele era alto e eu baixinha. Queria mesmo era sentir ela entre minhas pernas, mas em pé, era impossível. Ele soltou a outra tira de meu vestido e deixou ele se soltar. Ele ficou olhando meu vestido caindo pelo meu corpo lentamente e deixando a mostra o meu corpo que naquele momento não era mais meu e sim todinho dele. Meus peitos estavam duros, minha bucetinha molhada e o que eu mais queria era ele todinho dentro de mim.

Ele começou a me beijar de uma forma intensa, suas mãos me abraçavam com tanto tesão, eu nunca tinha sentido aquilo antes. Quando senti aquela mão enorme, tocando minha bunda e me segurando apertado, quase tive um orgasmo. Se abaixou na minha frente, e me beijava, me sugava, me mordia, estava descontrolado. Foi quando abaixou minha calcinha e pode ver como ela estava toda molhadinha. Ficou ali a observando por uns instantes, como se não acreditasse no que estava vendo. Quando passou o momento de êxtase, ele voltou a me beijar, E começou a passar a língua em minha bucetinha. Aquela sensação era maravilhosa. Ele ali, de joelhos a minha frente, beijando minha bucetinha daquele jeito. Para facilitar coloquei meu pé sobre o ombro dele, ficando com as pernas bem abertinhas. Ele começou a sugar minha bucetinha de uma forma que eu nunca havia sentido. A língua dele era maravilhosa, uma sensação sem igual. Ele levava aquela língua de baixo para cima em movimentos deliciosos e depois parava em meu clitóris e fazia movimentos circulares que eu já quase gozava de tesão. Minha buceta estava muito molhada e ele sabia disso. Foi então que ele me colocou sobre o sofá, fez eu ficar de costas para ele, com os joelhos sobre o sofá e abaixada. Acho que minha bucetinha ficou toda exposta, além de meu cuzinho. Ele chegou por traz e continuou a me chupar, só que agora enfiando aquela língua durinha e molhada dentro de minha buceta. Era uma sensação tão deliciosa, que não demorou muito e comecei a gozar. Quando ele viu que gozei feito uma putinha, ele ficou maluco e começou a passar a rola na minha buceta. Eu senti naquele momento o quanto ela realmente era grossa. Senti aquela cabeça enorme esfregando em minha buceta. Mas apesar do medo de ser fodida por aquela rola enorme, eu estava eu gostando muito, imaginando que agora seria fodida por uma rola de verdade. Ele esfregava de uma forma deliciosa, como quem anunciava o que estava por vir. Aquilo me deixava com mais vontade ainda, eu gemia de tesão. Já não me agüentava mais e gritei:“ME FODE, ME FODE GOSTOSO....”. Acho que era aquilo que ele esperava de mim, pois mandou eu sentar no sofá, abriu minhas pernas e as segurou com as mãos, eu me deitei um pouco para traz e minha bucetinha ficou todinha exposta, pedindo para ser fodida. Eu olhava para a cara dele, com uma carinha de desesperada, pedindo para ser fodida. Foi então que ele começou alisar minha buceta novamente com aquela rola linda, eu implorava por sua rola. Ele me olhava com um olhar sádico, como quem estava adorando me ver naquela agonia e começou a enfiar, bem devagar. Pude sentir aquela rola enorme entrando em minha bucetinha, até então semi-virgem, fui sentindo milímetro por milímetro entrando até que aquela cabeça enorme entrou todinha dentro de mim. A única reação que eu conseguia ter era gemer feito uma cadelinha. Eu estava tão extasiada e com tanto tesão, que não sentia dor nenhuma, só uma sensação muito forte, que vinha dentro de mim e parecia que iria explodir. Ele segurou em minha cintura e enfiou aquela rola todinha de uma vez, dei um grito enorme, não de dor, mas de um prazer que eu nunca tinha sentido antes. O prazer de sentir uma rola de verdade, de um homem de verdade, me fudendo inteira e tocando no fundo de minha buceta. Ele começou a fazer um movimento delicioso, entrando e saindo, aquele movimento era intenso demais e eu não me agüentava de tesão. Ele me beijava, chupava meus seios e continuava naquele movimento delicioso. Era como se eu fosse ao céu e voltasse a terra. Sentir aquela rola todinha dentro de mim me deixava muito maluca, eu me rebolava e pedia mais, mais, agia como uma cadelinha, falava coisas que nunca imaginei dizer. Pedia para ele me foder mais forte, para ele me comer gostoso. E ele continuava em um movimento tão intenso que eu delirava de tesão. Eu comecei sentir algo maravilhoso, era meu gozo explodindo de uma forma muito intensa, de um jeito que nunca tinha gozado antes. Minha buceta se contraia todinha por dentro e relaxava como se tivesse tendo espasmos. Foi delicioso, pois eu gritava alto de tanto tesão e ele sentia minha buceta espremendo sua rola. Nesse momento ele deu um urro bem forte e percebi um calor dentro de mim. Era o gozo dele que me enchia por dentro, senti aquele liquido quente e delicioso, ocupando cada espaço de minha buceta. Aquela rola deliciosa, entrando e saindo, diminuindo o ritmo e saindo bem gostoso de dentro de mim.

Eu estava exausta, e ele não satisfeito me colocou sentada no sofá, começou a chupar minha buceta novamente, enfiava a língua dentro de mim, querendo tirar lá de dentro o nosso gozo que se misturava. Me chupou tanto que limpou todinho o nosso gozo que escorria pela minha bucetinha. Levantei e coloquei ele sentado no sofá, vi que sua rola estava meio mole, mas continuava linda, toda melada pelo nosso gozo. Ajoelhei novamente a sua frente e comecei acariciar sua rola, coloquei ela na minha boca, ainda mole e a limpei todinha, não deixei nem uma gotinha de porra. Foi então que senti que ela estava novamente ficando dura, senti ela crescendo dentro de minha boca. Aquilo foi uma delicia, saber que ele já estava ficando excitado novamente por mim. Foi muito rápido para voltar a ver ela todinha dura. Eu não contive minha ansiedade e levantei, sentei em seu colo, passando minha perna por traz de suas costas e fui esfregando minha bucetinha, bem devagar até sua rola. Neste momento fui eu quem engoli a sua Rola, agora eu quem estava no controle. Eu engolia aquela rola deliciosa no meu ritimo, no meu tempo, fazendo movimentos rápidos, mais lentos, mais profundos, mais rasos. Do meu jeitinho. Era demais ver que ele estava adorando aquilo, nossos corpos se abraçavam e a minha bucetinha comia aquela rola inteira. Novamente foi muito intenso até que gozei, só que desta vez ele não gozou. Senti minha buceta muito molhada, deliciosamente preenchida por aquela rola. Ele continuou com ela dura dentro de mim. Ele me segurou pela minha bundinha e assumiu a situação. Se levantou me segurando pela bunda me encostou na parede, senti minhas costa gelarem naquela parede fria e ele de pé, com minhas pernas cruzadas nas suas costas, com as mãos me segurando na bundinha, começou a me foder novamente. Fiquei maluca, aquilo era loucura total. Aquela rola me fodia de uma forma deliciosa, a situação até era um pouco violenta, pois minhas costas batiam na parede, só que a dor era o de menos. O tesão me invadia e eu pedia mais. Ele me socava de uma forma muito deliciosa, até que ele começou a me foder mais rápido e soltou outro grito delicioso. Era ele gozando novamente me enchendo de porra. Como estávamos de pé eu sentia a porra escorrendo e ele continuava socando bem gostoso até que veio novamente aquela sensação deliciosa e comecei a gozar novamente. Ele percebendo não diminuiu o ritimo e me fez gozar gostoso, quase que juntinho com ele.

Foi uma tarde deliciosa que senti coisas que acho que nunca mais sentirei. Continuamos a tarde inteira juntos e fizemos outras posições, sendo que ele ainda gozou mais duas vezes. No final do dia ele me disse que um homem de 50 anos não goza 4 vezes no mesmo dia e que eu tinha conseguido algo que fazia muito tempo que ele não fazia. Foi um transa deliciosa, que talvez eu nunca esqueça na minha vida.

Naquele dia eu saí com o Toni, fomos ao Cinema e ao voltar passei na casa dele. O Toni já não agüentava mais aquela enrolação que eu fazia, ele começou insistir em me foder e claro que não queria desagradar ele. Acabamos transando no quarto dele, naquele mesmo dia. Foi uma transa gostosa, o filho não é tão gostoso quanto o Pai, mas com certeza tem futuro. Comi Pai e filho no mesmo dia.

Depois daquele encontro fiquei viciada naqueles dois Homens, eu me revezava entre Pai e Filho. Sempre que podia eu ia escondido até a casa do Toni para transar com o Pai. Eram encontros deliciosos. Já as minhas transas com o Toni, eram gostosas, normais é claro, até pela inexperiência dele. Mas como eu sempre adorei gozar muito, sempre era era muito gostoso.

Como disse no inicio, isso tudo começou a 6 meses atrás, o que eu não contei é que estou grávida e pelo tempo que estou esperando, provavelmente aconteceu no dia que comi os dois. É claro que o Toni assumiu toda a responsabilidade, até porque ele não tem nem idéia de que eu transei e continuo transando com o Pai dele. Nunca vou ter certeza qual dos dois é o verdadeiro pai deste filho que estou esperando, porém uma certeza eu tenho, meu filho tem dois pais maravilhosos.

Deixem seus comentarios, que vou adorar ler e se possivel responder.

Beijos.

Comentários

16/12/2014 19:09:56
http://www.casadoscontos.com.br/texto/
16/12/2014 19:09:11
Voce é um viado safado. Chupou não uma rola, mas sim um conto que já foi publicado aqui.http://www.casadoscontos.com.br/texto/
23/09/2012 23:23:57
Nossa, tradisse dos sogros por noras é mais comum do q pensei...meu sogro tbm tem agido estranho comigo ultimamente, nao sei se é coisa da minha cabeça ou se é real...
22/01/2012 11:24:34
Queria ter uma nora assim, tenho loucura pra comer a minha nora mas até agora não consegui, o dia q conseguir quero chupa-la até ela gozar na minha boca!
17/12/2010 20:21:18
muito bom seu conto fiquei com muito tesao parabens!
17/03/2010 22:04:07
EXCITANTEEEEE!!! Parabéns pelo conto, adorei...
11/08/2009 18:11:29
Realidade ou fantasia,não importa,o seu conto é muito excitante e bem escrito.Caso seja veridico seja feliz com o seus dois maridos.Você é uma mulher muito sensual e tem também o privilegio de fazer os seus dois maridos felizes.O seu filho também será uma criança feliz e amada por dois pais.Assim como você a esposa do meu amigo,tem dois maridos,e está gravida de mim e temos a certeza que "nosso filho" também tem dois pais que o criarão com muito amor.
27/04/2008 15:41:30
queria ter uma nora como você!! pra fuder bem gostoso com ela!!!
cris
02/02/2006 12:01:34
Parábens, tu é uma grande mulher e extremamente excitante!!
Marcelo 38
01/02/2006 18:34:49
Oi, adorei seu conto , meus parabens .e a prop[osito (Ro , gostei do seu coment[ario) vc queria um sográo assim me escreva (corujao34@bol.com.br)
NILSON
31/01/2006 23:00:16
eu daria tudo para ter uma nora assim
Márcio
26/01/2006 13:21:03
Parabens pelo conto, muiuto excitante
22/01/2006 02:02:34
oi vivi não precisa bater siririca é só me mandar um e-mail que a gente marca um encontro e eu bato uma para você ( com o dedo,a lingua com o cacete do jeito que vc quizer) teesperoak@yahoo.com.br
22/01/2006 01:59:24
oi marcinha ainda bem que vc não gosta de escrever se gostase não sobraria tempo para meter né safada
Vivi
18/01/2006 18:14:08
Adorei, e se foi copiado e repetido à exaustão como disse o Fábio Rodrigues, o que vale mesmo é o tesão, e posso dizer que bati várias siriricas até chegar à noite e poder meter com meu homem de verdade lendo este conto.
Reginaldo Gadelha
13/01/2006 23:35:24
Lindo conto, com ceerteza escrito por uma Portuguesa. O mote de seu conto é muito bom, se é verdade ou nao nao interessa, mas gostei
fabio
13/01/2006 16:14:43
você é muito boa nunca conto igual queria muito ser seu namorado não me importaria de devidila com meu pai BJS
O Enfermeiro
11/01/2006 18:24:39
Minha cara amiga, seu conto merece um premio poís se vc for tão gostosa quanto ao conto vc é perfeit.
11/01/2006 10:25:42
Pena que é um conto copiado e já foi repetido a exaustão...
fabio rodrigues
11/01/2006 05:08:59
o melhor conto que ja li parabens
Pedro Silva
10/01/2006 21:00:37
è sem duvida dos melhores, dos mais excitantes das centenas q ja li
Lyz
10/01/2006 20:00:04
Marcinha. Seu conto é simplesmente maravilhoso....parabéns. Muito excitante, muito bem escrito. Seja feliz sempre. E sinta muito prazer com seus homens maravilhosos
Lyz
10/01/2006 19:57:21
Caro Márcio, só um recado pra vc, porque uma mulher que gosta de sentir prazer de forma plena vc chama de puta e vagabunda. É. Talvéz vc só consiga se relacionar com mulheres e homens deste nível q deve ser o mesmo que o seu. Deixe de ser rídiculo...baixo astral. Ainda por cima diz q a rola é um pinguelo. rss. deve ser mesmo pequeno e insignificante. Pena que tem pessoas que pensam como vc.
laercio
10/01/2006 19:17:58
Muito bom, um beijo molhado na bucetinha
Bola
10/01/2006 16:09:40
Será que tem lugar para minha lingua em sua bocetinha maravilhosa.
fernando
10/01/2006 15:24:38
ola minha gatinha, parabens pelo seu conto, espero que tenha cido verdade pois muitos contos são mentirosos!!! vc deve ser muito gatinha!!! vamos trocar contos, ja comi minha tia de 36 aninhos, foi demais tb!!!!
Dudu
10/01/2006 13:39:56
O melhor dos melhores rs...muito bom mesmo se quiser se corresponder ou mandar fotos sua ficarei muito feliz meu e mail é dudu_sp_27@ig.com.br, agora me de licença que vou bater uma em sua homenagem rs...bjs...
Elis
10/01/2006 10:47:55
Deliciosamente excitante, apesar que pelo título, não se imagina o conteúdo, confesso que não criei expectativas, tirando a trama, a transa foi uma das melhores que li. Me surpreendi muito, Parabéns pelo bebê!!! O que se mais pode falar...
pantaneiro
10/01/2006 02:02:39
shou de bola, fiquei de pau duro, qria mto ser seu sogro. beijos.
ed
09/01/2006 19:51:11
oi os dois sao caras de sorte pois achar uma gata que mete desse nivel e muito dificil ainda mais na sua idade .boa sorte com seus dois maridos.
lele
09/01/2006 18:26:31
Voc~não tem vergonha, não sabe nem que é o pai do seu filho. Vagabunda, ainda se acha o máximo.
chacal
09/01/2006 18:10:28
muito bom.ótimo conto.melhor ainda que contou de uma vez só,não ficou enrolando como outras que faz o site de confessionario,diz que volta pra continuar e some no mundo!!
Curioso
09/01/2006 17:47:00
Nossa Show de bola esse seu conto sou afixionado em fotos e contos se vc tiver me mande Bjs
BNH
09/01/2006 13:51:36
Gata, nota 10, gostaria muito de te conhecer, mesmo que apenas por e-mail, podemos nos corresponder e contar nossos contos, um para o outro, quem sabe até algo mais, fico no aguardo, beijos, bnh
RODRIGO
09/01/2006 13:31:56
este posso afirmar!!!!!!!!!!foi o melhor conto que já li em toda a minha vida! e olha que eu compro até livros de contos eróticos. vc me deixou muito excitado, estou trabalhando mais não vejo a hora de chegar em casa para bater uma punheta bem gostosa. me mande uma foto por e mail para eu imaginar vc nas minhas punhetas. eu posso mandar uma minha tb! uma foto que eu estou pelado e te garanto ... sou tão gostoso quanto o seu sogro!
leitor
09/01/2006 13:12:52
Parabens pelo conto, estou superexcitado, parabens pela gravidez, continue comendo os dois, como no filme Perdas e Danos. beijos
silas
09/01/2006 12:45:39
Querida que delicia, juro que molhei toda a cueca, nossa como gostaria de estar no lugar do mario ter uma nora tesuda como vc,.se vc quizer me conhecer e dar esta linda bucetinha pra mim estou disponivel, tenho uma pica 22cm e bem grossa tipo não dar para fechar as mãos, sei que vai adorar..meu email e msn é silasvipbarao@hotmail.com me escreva ou me contate por msn.. beijos continui assim, quem sabe o mari come seu cuzinho também.. deliciosa.
marcio
09/01/2006 11:59:20
sou louco para comer uma puta feito vc e que esteje gravida pois nunca comi uma vagabunda que nem vc gravida deve de ser o maximo e digo a vc que o meu pinguelo nao vai te desepcionar sua vaca.
valeriobh
09/01/2006 11:43:58
maravilhoso
Ro
09/01/2006 11:23:01
Muito bem escrito. Parabéns... queria ter um sogrão assim.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.