Casa dos Contos Eróticos

Feed

Amandinha, a Ninfeta

Autor: Amanda de Luca
Categoria: Heterossexual
Data: 22/05/2005 08:03:49
Nota 6.00
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Amandinha, a Ninfeta "Tenho 19 anos, cabelos louros, bem fininhos que descem até a cintura, bundinha arrebitada, coxas grossas e seios médios tão bonitos que jamais usei sutiã. Isto é, exceto quando vou à praia. Sou bronzeadíssima do sol de Ipanema, o que contrasta de uma forma linda com os meus olhos de gata. Além disso, ainda tenho um rostinho lindo ingênuo de menina, o que deixa os homens loucos. Consciente de meu poder sobre eles, uso e abuso de roupas provocantes, sensuais, que mais me despem do que vestem. Adoro senti-los malucos de desejo por mim. E , embora pudesse ter qualquer um , tenho uma tara toda especial por operários e porteiros. O atrevimento dos surfistas e dos homens bem vestidos e bonitos, me assusta e intimida. Os acho muito cheios de si e, para mostrar-lhes que não são tão superiores assim, me fecho toda ,indiferente a eles. Em compensação, quando volto da praia, arrastando olhares em meu microbiquíni de Bali , a canga atirada displicentemente no ombro, não posso ver um botequim cheio de peões que, quando dou por mim, já entrei, espalhando o silêncio. Peço um refrigerante e bebo devagarinho, chupando discretamente a garrafa, os olhos deles me comendo toda, cada pedacinho de meu corpo. Quando saio , vejo que estão doidinhos, mas não se atrevem a me dizer nada. Mais adiante, me debruço bem empinada numa banca de jornal e fico folheando uma revista de modas . O rapaz da banca fica tão louco que sempre arruma um pretexto para sair , arrumar umas revistas ao meu lado e olhar minha bundinha praticamente nua. Chego a abrir mais as pernas e, quando vou embora , creio que poderia levar a revista sem pagar que ele nem perceberia. Outro dia, porém, quase me dei mal. Era um domingo de sol ,a praia de Ipanema cheia do pessoal do subúrbio. Os ônibus saindo lotados no meio da tarde, rumo a Zona Norte. Eu voltava da praia, como de costume só de biquíni e sandálias, a canga no ombro , uma bolsinha vinho amarrada no pulso, e esperava o sinal da Rua Visconde de Pirajá fechar quando um desses ônibus parou em minha frente. Ainda não estava transbordando de gente, como costuma ficar quando saem de Copacabana, com uma porção de pessoas penduradas do lado de fora das portas e janelas, os pés apoiados nos pára-choques. Mas vi que já não tinha lugar para sentar, havia muitos mulatos de pé. E , antes que pudesse pensar, subi a escada e passei a roleta. Meu coração batia que parecia que ia me saltar pela boca. Estava toda arrepiadinha mas fiquei firme, os dois braços erguidos, segura na ponta dos pés. E a cada parada subia mais gente, aquela garotada barulhenta de subúrbio, só de calção de banho , os músculos bem desenhados, de operários , sob a pele negra , suada , cheirando a mar e sal. Não demorou muito, o ônibus parecia uma lata de sardinha. De um lado, um velho . De outro, um rapaz. Os dois negros, só de sunga, aproveitando da freada para encostar mais em mim senti primeiro os cabelos das pernas roçando minhas coxas . Percebendo que eu não reagia, o velho chegou um pouco para trás e encostou o pau em minha nádega esquerda. Vendo que ainda assim eu não fazia nada , e aproveitando uma curva, ele empurrou alguém e se espremeu em minhas costas. Um mulato imediatamente ocupou seu lugar, descaradamente virado para mim, esfregando o pau sob a sunga em minha coxa. O outro rapaz fazia a mesma coisa do outro lado. A cada parada, o ônibus enchia ainda mais. E o velho, atrás, me espremia tanto que acabei meio curvada sobre o passageiro sentado, um negro de uns trinta anos, muito forte, que esfregava sem pudor o ombro um minha xoxotinha com tanta força que a parte da frente do biquíni desceu um pouquinho, desnudando meus pelinhos louros e macios. Eu sentia a tora do velho sob a sunga bem no meio de minha bunda, e já estava assustada e arrependida. Pensei que devia saltar naquela hora, mas estava tão excitada que meu sumo escorria pelas coxas e não conseguia me decidir. Senti a respiração ofegante e quente do velho em meus ombros, seu peito e sua barriga me forçando cada vez mais a me curvar sobre o negro sentado e o que empinava minha bundinha de encontro com o seu sexo. Sentia seu pau pulsar e ele, com certeza meio enlouquecido e percebendo que eu era completamente dócil, empalmou minha nádega direita e desceu a parte da frente de sua sunga. Foi um choque sentir seu pau já todo melado subir entre minhas coxas, seus pêlos em minha bundinha , tanto que não pude evitar de olhar para trás, por sobre um ombro, e gemer um tímido ai de protesto. Os outros dois rapazes, percebendo o que acontecia, também libertaram seus membros, esfregado-se em minhas coxas nuas com a fúria de cachorros, sem se importarem mais em disfarçar. O mulato chegou a morder meu ombro, esfregando o rosto em meu cabelo. E o negro sentado subiu a mão pelo peito e desceu a frente da minha calcinha, enfiando o dedo em meu sexo e começando a manipular meu clitóris com o polegar , me levando a loucura e a orgasmos sucessivos. Com a boca, esticando o pescoço, ele puxou meu sutiã, libertando um de meus seios, que imediatamente abocanhou. O ônibus corria a toda velocidade e eu mal conseguia manter meus olhos abertos. Só percebia que o homem junto à janela esfregava seu pau com as suas mãos por sobre a sunga, se masturbando e me olhando. Na curva do aeroporto Santos Dumont , o negro usou a outra mão para baixar de vez a minha calcinha , até os joelhos. E senti outra vez a mão do velho, agora abrindo bem a minha bunda e ajeitando o pau para forçar a penetração. De repente, mesmo superexcitada, entrei em pânico e comecei a me contorcer para escapar, passar entre eles. Mas os homens se apertavam contra mim, quase me imobilizando. Eu me contorcia e, creio que porque rebolava muito, o velho perdeu o controle e senti o jato quente de seu esperma me atingindo as costas, a bunda , as coxas. Ao mesmo tempo, como um chicote, os dois rapazes gozaram em minha barriga , cintura, no lado de minhas coxas e seus espermas escorreram pelos pelinhos de minha bocetinha. O negro forte começou a levantar, a tora imensa para fora das calças, e tenho a certeza de que iria me foder ali mesmo , em pé no ônibus, se o veículo não tivesse parado no ponto da praça XV , em frente às barcas. A multidão então começou a escorrer para fora da condução, abrindo vazios dos quais me aproveitei bem como do fato de os três estarem meio tontos de gozo para escapar veloz , empurrando todo , e ao mesmo tempo em que puxava a calcinha com a mão. Pisei a calçada da Praça XV atarantada e assustada, meio nua ainda, os seios soltos, sem sandálias , depois de perder a canga. E, sem coragem de olhar para ver se me seguiam, atravessei as pistas por entre os ônibus, correndo o risco de ser atropelada. Debaixo do viaduto , entre os carros estacionados, me recompus como podia naquelas circunstâncias. Percebi do outro lado da rua o negro na calçada , me procurando. Me escondi, esperei uma trégua no trânsito e , mal vi um taxi, corri em direção e entrei nele, caí sentada no banco de trás e suspirei, toda melada do esperma dos três homens desconhecidos , ainda tive de enfrentar os olhares gulosos do motorista , quase me comendo com os olhos. - Ufa! Nunca mais ! - disse para mim mesma , sentindo entretanto os olhos do motorista me percorrerem toda. Imediatamente, os biquinhos de meus seios ficaram duros a ponto de estourar e então pensei que nunca talvez fosse uma palavra forte demais "

E-mail= amandadeluca@bol.com.br

Comentários

13/08/2009 16:23:20
Aí vc viu um disco voador, foi raptada e levada para Marte, lá em Marte tem um ônibus que pode fazer essas coisas...acorda menina.
02/04/2008 14:08:06
Putz leva mal nao mas vc viajoou nesse conto.. fez isso dentro do onibus ?! valeu acredito ¬¬
30/03/2008 02:50:48
Tá valendo, mas ajoelhou tem q zera fia
Comentarista
22/05/2005 18:09:44
A Amanda de Luca é uma espécie de Tesudo_SP ou Ninfomaníaco-SP em versão feminina, esse conto até é bom, mas é manjadíssimo, já saiu na Ele e Ela e a autora não é ela.
Carlos
22/05/2005 14:17:00
Tudo isso dentro de um ônibus? Dá um tempo Amanda...
Voyer
22/05/2005 14:02:55
Essa aqui tb esta super exitante, mas até agora ainda ñ teve nenhum penetração, tem que ter, de preferencia anal.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.